Coluna Bernadete Alves - dia 01/08/2018

Felipe Massa participa da cerimônia de 20 Anos do CTB

O governo federal realizou cerimônia da Década de Ações para Segurança no Trânsito e os 20 anos do Código de Trânsito Brasileiro, junto com o piloto Felipe Massa, embaixador da FIA e da ONU para a redução de acidentes e mortes no trânsito e Jean Todt, presidente da Federação Internacional de Automobilismo. Participaram também do evento o ministro das Cidades, Alexandre Baldy e o ministro da Casa Civil Elizeu Padilha.

O Brasil ocupa o quinto lugar no ranking da Organização Mundial de Saúde de mortes no trânsito. A Organização Pan-Americana de Saúde da OMS, concentra as ações globais em torno do combate aos acidentes e melhoria da segurança no trânsito. Essas iniciativas configuram a Década de Ações para Segurança no Trânsito, que vai começou em 2011 e vai até 2020. No Brasil o projeto Vida no Trânsito compõe esse rol de ações, e se volta sobretudo para o combate à ingestão de bebidas alcoólicas e alta velocidade nas estradas. Durante a cerimônia no Palácio do Planalto, o presidente Michel Temer, assinou Termo de Consulta para adesão a acordos internacionais com a ONU, na tentativa de reduzir a mortalidade no trânsito. O documento será enviado ao Congresso Nacional.

O governo federal, por meio do Ministério das Cidades, pretende agrupar, em uma única base de dados, informações de diferentes órgãos municipais, estaduais e federais sobre a segurança nas estradas brasileiras. Dessa forma, poderá ser elaborado um diagnóstico mais preciso sobre a situação atual e, posteriormente, haver condições para definir políticas públicas mais eficientes a fim de reduzir, pela metade, em um prazo de 10 anos, as cerca de 40 mil mortes que a cada ano ocorrem no país.

O presidente Michel Temer disse que com os dados o governo vai definir o orçamento para criar políticas públicas direcionadas a atacar as causas. “Nosso objetivo é reduzir, pelo menos pela metade, nos próximos oito a dez anos, os acidentes com vítimas fatais em nossas ruas e cidades. Estamos tendo metas claras, estado a estado, para o planejamento de ações e programas com esse objetivo”, declarou Temer, recomendando que a população deve “obedecer a lei e, em especial, o Código de Trânsito”.

“As viagens que fiz, por ser piloto de Fórmula 1, me possibilitaram conhecer muitas realidades também no que se refere a trânsito. Pequenas ideias podem melhorar muito essa situação [acidentes e mortes no trânsito]”, disse Massa. “Até mesmo informar sobre as regras importantes a serem seguidas, como a do uso do cinto de segurança tanto nos bancos da frente como nos de trás; ou sobre os riscos de se dirigir usando celular ou após beber”, declarou Felipe Massa.

As políticas públicas direcionadas aos estados e ao Distrito Federal deverão reproduzir as adotadas pelo programa Road Safety, criado pela Federação Internacional de Automobilismo em parceria com a ONU. O ministro das Cidades, Alexandre Baldy, disse que a cada ano, os acidentes de trânsito causam prejuízos de R$ 50 bilhões à sociedade. “Não dá para definir ainda qual será nosso orçamento porque isso depende da participação de cada estado. Mas queremos incitar empresas a participar [dessa iniciativa]. Todas as parcerias serão bem-vindas”, disse o ministro.

Baldy informou que nove estados e o Distrito Federal já se encontram em “estágio avançado” com relação à coleta de informações que facilitam a identificação das principais causas dos acidentes, por meio de seus departamentos de Trânsito. Posteriormente, já com os dados dos demais estados em mãos, pretende-se definir e implantar uma metodologia de coleta, tratamento e divulgação dos dados, bem como das metodologias de desdobramento e comunicação das metas, que preveem uma redução de 50% das mortes no trânsito no prazo de 10 anos.

A solenidade de assinatura de acordo com Instituto Tellus para implementar o Plano Nacional de Redução de Mortes e Lesões no Trânsito (Pnatrans),ocorreu no Ministério das Cidades. Estiveram presentes ao evento o ministro das Cidades, Alexandre Baldy, o diretor presidente do Instituto Tellus, Germano Guimarães, o presidente da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), Jean Todt, o embaixador da FIA para Segurança Viária e ex-piloto da Fórmula 1, Felipe Massa e o ministro da Saúde, Gilberto Occhi.

No evento de lançamento do projeto o presidente da FIA, Jean Todt, enviado especial da Organização das Nações Unidas (ONU) para Segurança Viária, classificou de “pandemia terrível” as mortes no trânsito. “São 1,8 milhão de mortes a cada ano. Esta é uma ótima oportunidade para fazermos programas mais fortes, de forma a evitar essas tragédias”. Para Todt, investimentos em infraestrutura e educação são fundamentais: “Capacetes, cintos de segurança, direção sóbria, deixar o celular de lado enquanto dirigimos, são atitudes e dispositivos que nos ajudam a sobreviver. Respeitando essas pequenas coisas, podemos reduzir drasticamente o número de vítimas", reiterou o presidente da FIA.

"É com muita alegria que assinamos esse acordo de cooperação. Queremos entender e produzir um diagnóstico detalhado, para poder conseguir tomar ações multidisciplinares, envolvendo outros órgãos, inclusive, para tornar essa agenda uma efetiva política pública", declarou o diretor presidente do Instituto Tellus Germano Guimarães. O piloto Felipe Massa enfatizou que o início do projeto pode ser primordial para salvar mais vidas no trânsito. " Sabemos que há muito a ser feito para diminuir as mortes que acontecem no Brasil. Agradeço por esse momento, que pode ser um marco para tornarmos as vias brasileiras mais seguras.” O diretor de Relações Institucionais da Ambev, Disraelli Galvão, disse que o projeto deixará um legado que será o pontapé inicial para transformarmos essa realidade no Brasil”.

O ministro da Saúde, Gilberto Occhi, apresentou dados que mostram que, a cada hora, morrem 137 pessoas no trânsito mundial. “É como se, a cada dia, caísse um avião. Até 2020, 1,9 milhões de pessoas devem ir a óbito por conta de acidentes. São números que podem ser comparados a uma guerra. Precisamos lutar contra esses dados. Essa parceria nos dará uma direção decisiva.” O ministro também chamou a atenção para o aumento do número de mortes de motociclistas que, segundo ele, quadruplicou nos últimos 17 anos.

O ministro das Cidades, Alexandre Baldy, destacou a parceria como um reforço a um trabalho mais efetivo no combate aos acidentes no trânsito. "São tragédias que, às vezes não percebemos, pelo fato de serem muito pulverizadas, mas mostram a grandiosidade do perigo de uma direção insegura”. Nesse primeiro estágio, o Instituto Tellus, em parceria com a Consultoria Falconi e apoio da Cervejaria Ambev, irá coletar informações e estatísticas de segurança viária junto aos Departamentos Estaduais de Trânsito (Detrans) nos nove estados e no Distrito Federal, criando, assim, um diagnóstico inicial da segurança viária no Brasil, identificando as principais causas dos acidentes para, então, definir as frentes da atuação. A próxima etapa do plano de trabalho do Pnatrans irá contemplar os demais 16 estados.

O piloto brasileiro Felipe Massa, embaixador da FIA para assuntos de segurança viária, visitou a Escola Vivencial de Trânsito, conhecida como Transitolândia e conversou com as crianças. “É importante que sigamos as regras de trânsito. Cada um fazendo um pouco podemos ajudar a salvar muitas vidas”, disse Massa. “Todas as regras vêm de quando você é criança. Se a gente conseguir ensinar as crianças da maneira certa, sem dúvida as crianças ajudarão os pais a seguirem as regras também”, completou Felipe Massa.

Para o presidente da Federação Internacional de Automobilismo, Jean Todt. iniciativas como esta, visando a educação das famílias para o trânsito, são ideais para reverter o quadro negativo que atinge não só o trânsito brasileiro. “Infelizmente a situação em todo o mundo é ruim, motivo pelo qual há muitos mortos e feridos no trânsito”, disse Jean Todt. “A segurança nas ruas não é responsabilidade apenas do governo. É de todos. Por isso precisamos também da ajuda da mídia”, completou Todt.

O ministro Baldy também elogiou a iniciativa do governo de Brasília.“Uma bela iniciativa para conscientizar e educar todas as crianças, deixando-as conscientes sobre como devemos nos comportar enquanto usuários do trânsito brasileiro”. Alexandre Baldy gostou tanto do que viu que quer a implementação de transitolândias em outras unidades federativas, por meio dos departamentos estaduais de trânsito.

A Transitolândia é uma iniciativa do Departamento de Estradas de Rodagem do Distrito Federal (DER) com o intuito de conscientizar as crianças sobre a importância de seguir fielmente as regras do trânsito. Por meio da Escola Vivencial de Trânsito, o DER tem instruído as crianças a fiscalizar os pais, cobrando deles obediência total a essas regras que, quando não seguidas, contribuem para aumentar o número de mortos e feridos no trânsito brasileiro. A Transitolândia está formando cidadãos conscientes das relações de trânsito. A Escola Vivencial de Trânsito está localizada no Parque Rodoviário do DER/DF, e funciona de segunda a sexta-feira, das 08h às 12h e das 15h às 17h. Escolas interessadas devem entrar em contato com a Transitolândia, presencialmente ou pelo telefone, (61) 3111-5792 ou 3111-5795, para agendar a visita, que tem duração média de 03 horas. No dia da visita: o DER disponibiliza à escola visitante transporte gratuito (com capacidade para até 80 passageiros). Além da educação para o trânsito, são abordados temas como meio ambiente, coleta seletiva de lixo e as boas atitudes de um cidadão. Um trabalho primordial do DER do Distrito Federal.

 
RocketTheme Joomla Templates