Coluna Bernadete Alves - dia 02/05/2018

Artose pode ser causada pela microbiota diz estudo americano

Os milhões de micro-organismos que habitam nosso trato digestivo exercem papel importante na digestão e ajudam no combate a infecções. Se a composição estiver desregulada surgem problemas como náusea e diarreia e até alguns que extrapolam os limites do intestino, como complicações nas articulações das mãos e dos joelhos. Segundo estudo publicado na revista JCI Insight, a proliferação de bactérias nocivas causada pela alimentação gordurosa pode ser fator-chave no desenvolvimento da osteoartrite.

Também conhecida como artrose, a doença causa inflamação e degeneração das cartilagens do corpo, principalmente no joelho, nas mãos, no quadril e na coluna, trazendo dores e dificuldade de movimento. A obesidade é um dos principais fatores de risco, mas outra condição que provocaria o problema seria a presença de algumas bactérias na flora intestinal, segundo pesquisadores americanos.

Segundo Michael Zuscik, da Universidade de Rochester, e um dos autores do estudo, essas colônias podem ter aumentado de tamanho, obtendo vantagem sobre as que causavam as inflamações. “Ou então as bactérias benéficas podem ter produzido subprodutos metabólicos que reduziram a inflamação diretamente nas juntas”, cogita. “Nós não temos certeza sobre qual desses cenários ocorre.”

A hipótese é de que essas bactérias interferem no sistema imunológico e causam inflamação pelo corpo, incluindo a doença nas articulações. Na segunda etapa do experimento, as cobaias obesas e com osteoartrite receberam um tratamento para regular a microbiota e suas articulações voltaram ao mesmo estado do de roedores magros. O tratamento foi feito com o prebiótico oligofrutose, parte de um grupo de substâncias que servem como alimento para as bactérias benéficas ao corpo.

Os ratos tratados continuaram obesos, mas as articulações voltaram ao estado saudável. Isso sugere que a inflamação causada pela microbiota pode ter um papel importante na osteoartrite e que tratamentos com probióticos podem ajudar a desacelerar a progressão da doença. “A oligofrutose preveniu completamente a aceleração da osteoartrite causada pela obesidade, preservando grande parte da cartilagem na junta”, declara Zuscik.

O médico pondera que o estudo foi feito em ratos, e que a flora intestinal humana pode não reagir da mesma forma à intervenção proposta. “Apesar de não sabermos se a oligofrutose ajudará humanos, estamos planejando experimentos para descobrir”, adianta Zuscik.“Nós achamos que é possível, já que algumas das bactérias ajudadas pelo prebiótico são conhecidas em humanos e estão presentes até em alguns alimentos.”

Sobre o estudo americano, o ortopedista Saulo Castro,do Hospital Santa Lúcia, em Brasília, e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Joelho, em entrevista ao Correio Braziliense, ressalta que a artrose não é um processo apenas degenerativo, mas também inflamatório. Dessa forma, a alimentação prebiótica, como proposta pelo estudo americano, pode diminuir esse processo. “Temos que pensar que a artrose é multifatorial. Acho que esse estudo combate um ponto específico, o que pode ser agregado ao tratamento”, declara o médico brasiliense.

O professor do Laboratório de Interação Microrganismo-Hospedeiro, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Caio Tavares, diz que a microbiota humana sofre alterações desde o momento do nascimento e está suscetível aos impactos da interação com vários fatores. “Dependendo do alimento que você consome, você favorece o estabelecimento de determinados micro-organismos e dificulta o de outros”, assegura o especialista.

Para o professor, o estudo americano, além de bem conduzido, tem implicação importante do ponto de vista terapêutico. “Ele sugere fortemente que há outros mecanismos no processo da artrose, além da obesidade”, explica. Segundo Tavares, existe um grande interesse com os possíveis efeitos que a microbiota pode ter sobre o corpo, como alterações na produção hormonal e até no sistema nervoso central.

Até agora, porém, a maioria desses estudos é feita com ratos. “Mostrar que é a microbiota que causa alguma patologia ainda é algo a ser buscado. No futuro, quem sabe, poderemos fazer diagnósticos, prognósticos ou acompanhar algum tratamento ao avaliar os micro-organismos. A ideia é incorporar a avaliação da microbiota a outros tratamentos”, diz Caio Tavares.

A artose, que também é chamada de osteoartrite, ataca as articulações do corpo. A Organização Mundial de Saúde classifica a artose como a quarta doença cujo desenvolvimento diminui a qualidade de vida de seu portador. Essas informações reforçam o quanto é importante procurar um especialmente assim que os primeiros sintomas surgirem. Cuidar da saúde é dever de todos nós.

Começa o “Maio Amarelo”, o mês de prevenção aos acidentes de trânsito

O Complexo Cultural da República, em Brasília, foi palco da abertura da 8ª edição da campanha internacional que chama atenção da sociedade para o alto índice de mortos e feridos no trânsito. O Brasil aderiu ao programa das Nações Unidas chamado Década de Ação pela Segurança no Trânsito, uma pacto global que prevê a redução em 50% do número de vítimas no trânsito até 2020, em maio de 2011. Desde então, o mês se tornou referência mundial para as ações em trânsito.

De acordo com a ONU, o Brasil é o quinto país mais violento no trânsito, com 234 mortes a cada 100 mil veículos, atrás de Índia, China, Estados Unidos e Rússia. Ainda segundo a organização, quando o assunto é acidentes que envolvem motocicletas, o Brasil é o segundo país com mais mortes, com cerca de sete casos a cada 100 mil habitantes, e perde apenas para o Paraguai, que tem 7,5 mortes para cada 100 mil habitantes.

O objetivo do Maio Amarelo é produzir um movimento coordenado entre o Poder Público e a sociedade civil. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), os acidentes rodoviários matam 1,25 milhão de pessoas por ano, em todo o mundo, e são a principal causa de morte de pessoas com idade entre 15 e 29 anos. Do total de mortes, 90% ocorrem nas estradas de países de baixa e média renda, que detêm apenas a metade da frota de veículos do mundo.

No Brasil mais de 37,3 mil pessoas morrem todos os anos no trânsito das cidades e rodovias do país, de acordo com a DataSUS. O ministro das Cidades, Alexandre Baldy, que participou do lançamento do Maio Amarelo, que tem como lema "Nós somos o trânsito”, disse que o objetivo do movimento é articular os órgãos de trânsito nos estados, como os Detrans, com a ação do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), a Polícia Rodoviária Federal (PRF) e a Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT). Além das campanhas educativas, serão intensificadas, ao longo do mês, campanhas de fiscalização, como as blitz de trânsito. "É como se um avião de médio porte caísse todos os dias com 93 passageiros a bordo. É o que representa o número de vidas que perdemos no trânsito em nosso país [todos os dias]", afirmou o ministro Alexandre Baldy.

O diretor-geral da PRF, Renato Dias, disse que desde que o Brasil adotou o “Maio Amarelo”, conseguiu diminuir em 25% o número de mortes em acidentes automobilísticos. "O Maio Amarelo consegue trazer para sociedade essa atenção para o tema, mas de nada adianta o esforço de cada órgão, se o motorista, ao conduzir nas cidades ou estradas, não tiver responsabilidade e a devida consciência de que tem em seu poder uma arma de grande potencial para matar ou lesionar as pessoas", afirmou Dias.

As principais causas dos acidentes de transito, segundo a PRF são: o excesso de velocidade, as ultrapassagens indevidas, a combinação de álcool e direção, a falta de cinto de segurança e o uso de celular ao volante são as cinco principais causas de acidentes de trânsito no país. "A grande preocupação no momento é o uso do celular pelo motorista. Agora, com o Whatsapp, potencializou mais o risco de tirar a atenção do condutor", acrescentou Renato Dias, da PRF.

Perguntado sobre a aplicação de tecnologias para bloqueio de celular por motoristas em trânsito, o ministro Alexandre Baldy diz que o governo estuda o tema, mas que a medida é complexa. "Nós temos que, primeiro, educar e tornar cada vez mais conhecida dos usuários do trânsito, daqueles que dirigem no dia a dia, a realidade de mortes em nosso país, que mata quase 100 pessoas por dia em acidentes. Em vez de banir a utilização de telefone no trânsito, que a gente possa ter a conscientização do motorista para não usar o aparelho enquanto dirige", argumentou.

Em Brasília, assumiram o protagonismo na campanha “Maio Amarelo”, o DER-DF, o Detran-DF, a Polícia Militar do DF e o Corpo de Bombeiros Militar do DF. Para o diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem do Distrito Federal (DER-DF), Márcio Buzar, campanhas desse nível têm papel vital na conscientização coletiva.”Percebo que o processo de educação no trânsito é demorado, embora o pedestre e o condutor sejam as mesmas pessoas e experimentem os dois lados, à direção e andando na rua. Mas não há outra saída que não seja pela educação”, declarou.

Os principais monumentos públicos da capital, entre os quais a Catedral, Palácio do Buriti, Congresso Nacional, adotaram iluminação na cor amarela em apoio ao “Maio Amarelo”. Vamos todos colorir nosso coração de amarelo e agir com segurança, cuidado e respeito e nunca esquecer que “Nós Somos o Trânsito”.

Curtas

Lei isenta doadores de medula óssea de taxa de concurso. A determinação está na Lei 13.656/2018, que entrou em vigou neste 02 de maio, vale para os editais publicados a partir de agora. Além dos doadores de medula óssea a lei isenta também beneficiários do Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico) do pagamento de taxa de inscrição em concursos públicos da administração direta e indireta de municípios, estados e da União. Em nota, o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca), que é responsável pelo Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome), criticou a medida. Segundo o Inca, o compromisso de doação de medula não pode estar vinculado a nenhum tipo de contrapartida.

Foro privilegiado virou um deboche com a sociedade e serve de escudo para processos que não têm fim, diz Claudio Lamachia, presidente nacional da OAB. “No momento em que alguns agentes do meio político tentam a própria salvação a qualquer custo, o cidadão percebe que o foro por prerrogativa de função – o famigerado foro privilegiado – virou deboche com a sociedade, esta é a verdade. Um instrumento que serviria para proteger instituições da República acabou virando escudo para processos que não têm fim”, afirmou Lamachia, em Foz do Iguaçu, no Paraná, durante o XXIII Congresso da UIBA (União Ibero-Americana de Faculdades e Associações de Advogados).

Micro e pequenos empresários que estão em dívida com a União podem aderir ao Programa Especial de Regularização Tributária das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Refis), a partir desta quarta-feira. A iniciativa oferece o parcelamento da dívida e descontos de até 90% sobre atrasos, de acordo com a modalidade de adesão. Segundo o Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), o Refis pode beneficiar cerca de 600 mil empresas, que devem cerca de R$ 20 bilhões à União.

A artista plástica Rosália Peixoto comemorou seus bem vividos 60 anos em sua residência, na Península dos Ministros. A aniversariante recebeu o carinho do marido Lourenço Peixoto, e das filhas Júlia, Sofia e Joana. O almoço foi no dia 1º e os doces foram feitos pela filha Joana. Rosália é uma das pessoas mais queridas da sociedade em Brasília. Seu sorriso conquista e abre portas. Vida longa e felicidade sempre!

Francisco Cuoco, aos 84 anos, está de volta à TV na nova trama das 9 na Rede Globo, ‘Segundo Sol’, no elenco principal. No lançamento o ator comentou sobre sua fase amorosa atual. “Separei (de Thaís Almeida) tem mais de um ano e voltei a morar com minha ex (Gina Rodrigues, com quem foi casado por 18 anos e tem três filhos). Não reatei. A gente é amigo. Agora é só um para apoiar o outro, acompanhar a caminhada dos filhos casados, netos. É pensar menos em namoradas, infelizmente”, brincou ele.

 
RocketTheme Joomla Templates