Coluna Bernadete Alves - dia 05/03/2018

“A forma da água” conquista Oscar 2018 pela ternura

O Oscar 2018, a cerimônia que consagra os melhores do cinema do ano, em Los Angeles, levou para o Teatro Dolby, os grandes nomes de Hollywood, na noite de ontem. O comediante e apresentador Jimmy Kimmel, celebrou a sétima arte junto com atrizes, atores, diretores e outras celebridades durante a 90ª premiação do Oscar mais inclusico da sua história. A premiação foi cercada de falas politizadas e um humor bastante crítico à esta nova onda de protestos nos Estados Unidos.

Pela segunda vez como apresentador da premiação, o cômico Jimmy Kimmel iniciou a cerimônia do Oscar 2018 falando das mudanças no universo de Hollywood. A premiação foi cercada de falas politizadas e um humor bastante crítico à esta nova onda de protestos nos Estados Unidos. Diversidade e representatividade foram as palavras-chaves da noite, que começou com o anfitrião Jimmy Kimmel, fazendo um desagravo à própria Academia, preocupada com a imagem arranhada com tantos de seus membros atingidos por denúncias de assédio.

Kimmel com tom cômico, afirmou que o Oscar era um homem exemplar porque deixa as suas mãos à vista e não exibe as suas partes íntimas em público. Além disso, o apresentador ainda relembrou a expulsão do produtor Harvey Weinstein da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas ressaltando que o “o mundo está assistindo a nós e temos que dar um exemplo” em um chamado para o fim do assédio sexual.

O Oscar 2018 premiou a ternura de a “Forma da Água” como receita para as dores do presente.O longa foi o grande vencedor da 90ª edição do Oscar com quatro estatuetas: os troféus de melhor filme e melhor direção, para Guillermo del Toro, além de direção de arte e trilha sonora. A Forma da Água, é um filme tenro sobre tolerância e inclusão e esta nostalgia de del Toro, casou com os objetivos do Oscar em seus 90 anos. Foi a resposta da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood às demandas de um turbulento presente.

O triunfo de “A Forma da Água”, um filme que fala tanto de tolerância como de afeto, e é capitaneado por um mexicano, legitima o espírito do momento. O filme tem uma personagem negra que sofre preconceito na América dos anos 60, uma heroína muda, que é uma faxineira que vive sua sexualidade sem constrangimentos, um homem gay, velho e solitário e uma criatura marinha incompreendida. É um salpicão de metáforas que vai ao encontro dos ruídos que fervilham em Hollywood atualmente.

O efeito de del Toro, terceiro mexicano a triunfar na categoria na década, é ainda mais memorável porque seu filme é uma fantasia. É a primeira vitória de um filme de gênero no Oscar desde “O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei” em 2004, mas sem o peso da literatura. Aqui o filme é totalmente original, a despeito das inúmeras acusações de plágio que já pipocaram por aí. “Obrigado, Guillermo del Toro, lembraremos este ano como o ano em que os homens fizeram tanta cagada que as mulheres começaram a sair com anfíbios”, declarou Jimmy Kimmel.

Foi nesse clima de tolerância, diversidade e representatividade, que a noite seguiu. Nesse sentido, as escolhas da Academia foram pontuais, ainda que compatíveis com o desenho da temporada. A plateia acompanhou discursos empoderados, tributo ao Exército Militar dos Estados Unidos à risadas políticas. Curtiu a escolha de Gary Oldman, como Melhor Ator, por Destino de Uma Nação.

O tom branco predominante no tapete vermelho era um sinal de que Hollywood persistirá na busca por mudanças estruturais, mas talvez com mais ternura. Um sentimento que, entre os indicados a Melhor Filme, a “A Forma da Água” foi capaz de cristalizar.

O diretor de fotografia Roger Deakinsfoi, em 2018, indicado ao Oscar pela 14ª vez e agora ganha sua primeira estatueta, pela fotografia de “ Blade Runner 2049 ”. Roger já foi indicado por “Sicario”, “O Leitor”, “007 – Operação Skyfall”, entre outros. Roger Deakins é colaborador de longa data dos irmãos Coen e também já fotografou diversos filmes da dupla, “Onde Os Fracos Não Têm Vez”, “Fargo”, “Ave, César” e “Bravura Indômita”. Com mais de 50 créditos do cinema, ele já trabalhou com alguns dos maiores diretores da atualidade. Além de Joel e Ethan Coen e Denis Villeneuve, Stephen Daldry e M. Night Shyamalan.

Jordan Peele foi o vencedor de Melhor Roteiro. O primeiro negro a ganhar um Oscar fez um discurso emocionante ao receber a sua tão cobiçada estatueta no palco. O cineasta de "Corra!" começou dizendo sobre as possíveis dificuldades de se fazer o filme com a temática e que gostaria de "dedicar este prêmio a todas as pessoas que levantaram a minha voz e me deixaram fazer esse filme". O ator ainda agradeceu à sua mãe por ensiná-lo a "amar em frente ao ódio", foi ovacionado pela plateia.

As atrizes Tiffany Haddish e Maya Rudolph tiveram apenas dois minutos de fala durante a apresentação do Oscar de Melhor Documentário de Curta-Metragem e Melhor Curta-Metragem em Live Action, mas foi o suficiente para encantar a plateia e quase lançar uma campanha para que voltem no próximo ano como as apresentadoras oficiais da cerimônia. Durante o discurso, as atrizes relembraram da campanha #OscarsSoWhite, que reivindicava a inclusão de pessoas negras na premiação. Carregando os sapatos de salto alto nas mãos, Haddish começou: “quando nós entramos aqui, algumas pessoas pensaram: agora o Oscar está muito preto?”, ao que Rudolph respondeu: “não se preocupe, tem muito mais brancos para virem aqui”. As duas ainda criticaram situações de racismo que passam nos bastidores com “brancos com pranchetas”.

Mais uma vez a temática da imigração tomou conta do Oscar nesta edição. Para apresentar o prêmio de Direção de Arte, Lupita Nyong’o, ao lado de Kumail Nanjiani começou o discurso dizendo: “somos dois atores que vocês conhecem, mas que tem dificuldade de pronunciar o nome”. A atriz ainda ressaltou: “Somos imigrantes. Eu sou do Quênia”, afirmou Nynon’g” ao que Nanjiani respondeu “Eu sou do Paquistão e de Iowa, dois lugares que ninguém de Hollywood consegue encontrar no mapa”, disse aos risos. Nyong’o completou afirmando que “assim como todos nesse auditório e assistindo em casa nós crescemos sonhando em fazer cinema. Esses são os alicerces de Hollywood e os sonhos também são os alicerces da América”. Nanjini concluiu o discurso afirmando que “para todos os sonhadores que estão aí fora, estamos juntos”,

A atriz Frances McDormand em “Três Anúncios Para um Crime”, ficou muito emocionada, com o troféu de Melhor Atriz. Agradeceu aos seus colegas de filme e também à sua família e,depois, pediu para que as mulheres que foram indicadas em todas as categorias do Oscar 2018 se levantassem de suas cadeiras. “Seria uma honra se eu pudesse ter todas as mulheres indicadas em todas as categorias aqui, de pé, comigo nesta sala hoje. “Todas nós temos histórias para contar e projetos para financiar”. McDormand declarou “tenho apenas duas palavras para deixar para vocês nesta noite: ‘inclusion rider’”, referendo-se a uma cláusula que é possível colocar no contrato exigindo que o elenco e a equipe de um filme tenham 50% de diversidade em um filme, aumentando a igualdade racial e de gênero na indústria cinematográfica.

Kobe Bryant, um dos maiores nomes do NBA, recebeu o prêmio de melhor curta-metragem de animação com o Dear Basketball. O ídolo do Los Angeles Lakers, que se despediu das quadras em 2015, se tornou o primeiro atleta a receber um Oscar. Depois de 20 anos na NBA, cinco títulos, duas camisas (8 e 24) aposentadas pela mesma franquia e ainda dois ouros olímpicos pelos Estados Unidos, o norte-americano faturou a estatueta mais prestigiosa do cinema mundial. Além de roteirista, o ex-jogador foi também o produtor executivo da obra. Com trilha sonora de John Williams, conta com a direção do animador Glen Keane.

Ao lado do animador Glen Keane, Kobe declarou: "Eu me sinto melhor do que ganhar um título. Os jogadores de basquete são vistos como se devêssemos ficar calados e driblar, mas eu fico feliz de fazer mais do que isso. O mais difícil quando você recomeça, é deixar o ego de lado e começar. Você tem que aprender o básico", disse Kobe Bryant durante o discurso. "Obrigado à minha esposa Vanessa e nossas filhas, vocês são a minha inspiração".

Melhor Filme: A Forma da Água; Melhor Direção: Guillermo del Toro, A Forma da Água; Melhor ator: Gary Oldman, O Destino de Uma Nação;Melhor Atriz: Frances McDormand, Três Anúncios para Um Crime; Melhor Ator Coadjuvante:Sam Rockwell, Três Anúncios para Um Crime; Melhor Atriz Coadjuvante:Allison Janney, Eu, Tonya.

Melhor Filme em Língua Estrangeira:Uma Mulhe Fantástica (Chile), com Sebastian Lelio, Nicolás Saavedra, Daniela Vega, Alejandro Goic e Pablo Larrain; Roteiro Adaptado:Me Chame pelo Seu Nome;Roteiro Original:Corra!; Documentário: Ícaro; Curta de animação: Dear Basketball; Documentário em curta-metragem: Heaven Is a Traffic Jam on the 405; Curta-metragem: The Silent Child.

Melhor Animação:Viva – A Vida É uma Festa; Gael García Bernal interpretou 'Remember Me' do filme 'Coco', na solenidade de premiação.Quem recebeu a estatueta foram os compositores Robert Lopez e Kristen Anderson-Lopez. Efeitos Visuais: Blade Runner 2049; Canção Original: Remember Me, de Viva – A Vida É uma Festa; Trilha Sonora Original: A Forma da Água; Fotografia: Blade Runner 2049; Edição:Dunkirk; Maquiagem e Cabelo: O Destino de Uma Nação: Figurino:Trama Fantasma; Edição de Som: Dunkirk; Mixagem de Som: Dunkirk; Direção de arte: A Forma da Água.

O apresentador Jimmy Kimmel prometeu ao discurso mais rápido da noite um Jet Ski. A atriz Helen Mirren foi quem apresentou o presente. Mark Bridges, figurinista de “Trama Fantasma”, que levou a estatueta para a casa por conta do seu trabalho, foi o grande vencedor da competição criada pelo apresentador do Oscar 2018. Bridges fez o discurso mais rápido da noite que durou cerca de 36 segundos e o figurinista recebeu o seu merecido prêmio avaliado em US$ 18 mil.

No meio da cerimônia do Oscar, Wes Studi subiu ao palco para prestar um tributo ao Exército Militar dos Estados Unidos, revelando que foi um dos voluntários na Guerra do Vietnã. “Como um veterano, eu sempre apreciei quando os cineastas trouxeram para a tela histórias sobre aqueles que já serviram ao exército. Durante os 90 anos da Academia, vários filmes com temas militares foram honrados no Oscar. Vamos pegar um momento para homenagear esses filmes poderosos que brilham um excelente foco sobre aqueles que lutaram pela liberdade ao redor do mundo”, disse o ator.Se até mesmo Hollywood já produziu filmes contra as guerras dos Estados Unidos, é minimamente estranho promover o exército durante uma premiação com tantos discursos libertadores.

A 90ª edição do Oscar homenageou os melhores filmes, atores e técnicos de 2017, ontem a noite no Teatro Dolby, em Los Angeles. Durante a cerimônia, foram distribuídos os prêmios da Academia de Artes e Ciências Cinematográfica em vinte e quatro categorias, e a transmissão ao vivo foi realizada pela rede televisiva estadunidense ABC. Quem ganhou o Oscar 2018 está de parabéns. Nossas homenagens também a todos os indicados à cobiçada estatueta.

 
RocketTheme Joomla Templates