Coluna Bernadete Alves - dia 24/02/2018

Dia da Conquista do Voto Feminino no Brasil

A data comemorativa foi sancionada pela primeira mulher eleita para comandar o Poder Executivo, Dilma Rousseff, por meio da Lei 13.086/15, de autoria da deputada federal Sueli Vidigal, que institui o 24 de Fevereiro como o “Dia da Conquista do Voto Feminino no Brasil” por meio da Lei 13.086/15.A parlamentar justificou o seu Projeto de Lei relembrando a luta das mulheres pelo direito de escolha. "O voto feminino no Brasil foi assegurado, após intensa campanha nacional pelo direito das mulheres ao voto. Fruto de uma longa luta, iniciada antes mesmo da Proclamação da República."

Para que existam hoje os direitos políticos, o direito de votar e ser votado, de escolher seus governantes e representantes, as mulheres lutaram muito. E a descriminação não era só com elas. Na história política do Brasil, até 1934, mulheres, negros, pobres e analfabetos não tinham direito a voto. Hoje faz 86 anos que a mulher exerce o direito de escolher os seus representantes. Neste ano as mulheres devem lutar pela representatividade na política brasileira e conquistar mais cadeiras nos cargos executivos e legislativos. Lamentavelmente os três poderes ainda são espaços predominantemente masculinos. As mulheres precisam se unir para acabar com a exclusão da mulher do exercício dos direitos políticos e da própria cidadania cercada de preconceitos.

O dia 24 foi escolhido porque o então presidente da República Getúlio Vargas nesta data em 1932, por meio de um decreto concedeu a mulher brasileira o direito de votar nas eleições nacionais. Entretanto, a conquista não foi completa. O Código Eleitoral da época permitia apenas que mulheres casadas (com autorização do marido), viúvas e solteiras e com renda própria pudessem votar. Apesar de 1932 ter sido um importante ano para a participação feminina na vida pública, a luta começou muito antes.

Não era apenas por um voto que as mulheres, ao longo dos anos, lutavam. A grande insatisfação feminina, na verdade, era ser enquadrada como pessoa de segunda classe. Em 1934 as restrições ao pleno exercício do voto feminino foram eliminadas no Código Eleitoral e em 1946, a obrigatoriedade do voto foi estendida às mulheres.

Passaram alguns anos até que todas as restrições ao pleno exercício do voto feminino fossem retiradas e as mulheres pudessem exercer seus direitos de cidadãs plenamente no Brasil. Mesmo podendo votar e ser votada,ainda assim as mulheres são prejudicadas pela desigualdade entre homens e mulheres na política e no mercado de trabalho.

Neste 2018 vamos fazer desta conquista um meio para promover as transformações sociais que o país necessita. Não basta votar, é preciso fiscalizar os nossos representantes.

Temporal causa alagamentos e danifica carros

O Inmet alertou a população de que o sábado teria chuva e ventos fortes. E o temporal assustou a população em várias regiões do Distrito Federal. A tarde foi de pânico para quem transitava pela cidade e até o presidente Michel Temer levou um susto com raio na área do Palácio do Jaburu.

A Ponte do Bragueto, que liga Lago Norte a Asa Norte ficou completamente alagada nos dois sentidos. Nas tesourinhas e viadutos da 209 a 216 foi difícil passar devido a água acumulada. Taguatinga e Ceilândia tiveram vários prejuízos materiais devido a queda de árvores em carros e postes de luz.Os técnicos da CEB foram chamados para desligar a energia da região. A avenida do P.Sul, em Ceilândia, virou uma cachoeira. O Corpo de Bombeiros registrou vítimas com ferimentos leves.

O Instituto Nacional de meteorologia assegura que a chuva volta a cair no domingo e pede para a população tomar cuidado. “É imprescindível que as pessoas evitem passar por debaixo de árvores ou faça o uso de celular ligado na tomada. No trânsito é preciso ter cuidado redobrado e evitar frear bruscamente”, diz a meteorologista Maria das Dores de Azevedo.

Em caso de emergência ligar para o Corpo de Bombeiros no número 193 e para a Defesa Civil no 199.

 
RocketTheme Joomla Templates