Coluna Bernadete Alves - dia 23/02/2018

Governo de Brasília regulariza Instituto Cervantes

O governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, e sua esposa, Márcia Rollemberg, colaboradora do governo, estiveram hoje na Embaixada da Espanha, no Setor de Embaixadas Sul, para entregar a escritura do terreno da sede do Instituto Cervantes, o centro cultural da Embaixada da Espanha.

O documento que garante a regularidade da situação fundiária da sede do Instituto Cervantes, na Asa Sul, foi entregue ao Embaixador Fernando María Villalonga Campos. Também participaram da cerimônia de entrega do documento o presidente da Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap), Júlio César Reis, a diretora do Instituto Cervantes de Brasília, Rosa Sanchez e a embaixatriz Maria Josefa Villalonga.

O ato faz parte de acordo feito entre o Brasil e a Espanha em 1959, quando foi instalada a Casa do Brasil em Madri. À época do acordo com a Espanha, ficou estabelecido que a cessão de terreno para fixação da residência brasileira em Madri teria como contrapartida a concessão de terreno à Embaixada de Espanha no Brasil, para fins educacionais. O instituto oferece, além de atividades culturais, curso de língua espanhola para 2 mil pessoas.

“É motivo de muita alegria formalizar o terreno em que fica o Instituto Cervantes de Brasília. É um ato de reciprocidade produzido pela amizade e pelo desejo de ampliar os laços de integração cultural entre os dois países”, destacou o governador Rollemberg.

O embaixador do Reino de Espanha no Brasil, Fernando Villalonga, disse que Espanha e Brasil são sócios estratégicos, países irmãos, e compartilham raízes culturais. Além de promover os interesses da Espanha no Brasil a Embaixada desempenha papel importante no desenvolvimento, nos assuntos culturais e nos contatos com a imprensa local. O embaixador Fernando Villalonga está no Brasil desde junho de 2017.

O Instituto Cervantes é o órgão oficial do Governo da Espanha para a difusão da língua e da cultura em espanhol. A Associação Hispano-Brasileira Instituto Cervantes, foi inaugurada por S.A.R. o Príncipe Felipe de Borbón no dia 17 de julho de 2007, já conta com quase 2000 alunos que participam das aulas de espanhol e das atividades culturais que acontecem no Instituto.

A biblioteca oferece uma ampla seleção de literatura espanhola e latino-americana, filmes, materiais multimídia, música, revistas e jornais do mundo hispânico, assim como uma completa coleção da obra de Ángel Crespo, autor que dá nome à mesma. O Instituto Cervantes fica na 707/907 Sul, Bloco D, Fone 3242-0603.

Inspiração Caipira – a maestria de Almir Sater e Renato Teixeira

Tudo é paixão na sinfonia dos grandes cantores e compositores Renato Teixeira, 72 anos, e Almir Sater 61 anos, parceiros de longa data. Eles retratam as raízes brasileiras em suas composições. São os verdadeiros ícones da música caipira. Uma inspiração para as novas gerações. A combinação da destreza de Sater na viola com o lirismo de Renato Teixeira continua rendendo ótimos frutos. No novo trabalho +AR eles confirmam a maestria na criação de canções memoráveis. O disco estará disponível na próxima semana com dez novas composições. É só aguardar.

Almir Sater e Renato Teixeira têm suas obras protegidas pela ABRAMUS, trilharam carreiras solo e fizeram sucesso com parcerias em coposições. A união das duas feras rendeu hits como “Tocando em Frente”, “Boiada” e “Um Violeiro Toca”.

O paulista Renato Teixeira é autor de conhecidas canções, como “Romaria”, grande sucesso em 1977 na voz de Elis Regina, “Tocando em Frente”, em parceria com Almir Satter, gravada por Maria Bethânia, “Frete”, tema de abertura do seriado Carga Pesada, da Rede Globo. Em novembro de 2017 ele lançou em escala nacional pela gravadora Kuarup,sinfônica em Terra de sonhos, álbum gravado no Estúdio Inca (MT) por Teixeira com a Orquestra do Estado de Mato Grosso – sob a regência do maestro Leandro Carvalho.O cantor e compositor associado ao universo da música rotulada como caipira, criou, a bem da verdade, fino cancioneiro de acento folk enraizado nas tradições dos sertões do Brasil interiorano.

Renato Teixeira iniciou sua carreira em 1967 com a apresentação da música Dadá Maria (Renato Teixeira) nas vozes de Gal Costa e Silvio César no III Festival de Música Popular Brasileira (TV Record). Foi o apego apaixonado ao universo musical caipira que deixou a obra autoral de Teixeira com identidade tão forte, a ponto de ser reformatada pela Orquestra do Estado de Mato Grosso sem perder a essência folk. "Tudo é sertão, Tudo é paixão" até mesmo quando o violeiro cantador se junta com orquestra de tradicional atmosfera clássica como a Orquestra do Estado de Mato Grosso.

O violeiro, compositor, cantor e instrumentista, Almir Sater, começou sua carreira em 1981, quando gravou o disco “Estradeiro”. O mato-grossense é um dos grandes nomes do cenário musical brasileiro quando o assunto é a viola de 10 cordas. As músicas “Comitiva Esperança” e “Chalana” se destacaram bastante entre os fãs e admiradores do gênero.

Ao longo de suas carreiras, Sater e Teixeira atuaram por três décadas lado a lado na composição de canções. No final de 2015, os dois lançaram seu primeiro álbum conjunto. Intitulado “AR”, com as iniciais de seus nomes. O CD, gravado no Brasil e em Nashville, nos Estados Unidos, foi produzido pelo norte-americano Eric Silver.

Com uma pegada folk, “AR” fez tanto sucesso que foi eleito o “Melhor Álbum de Música de Raízes Brasileiras” no último Grammy Latino. A faixa “D de Destino” também foi indicada na categoria “Melhor Música em Língua Portuguesa”. Atualmente, a dupla segue fazendo shows que incluem o novo repertório e sucessos antigos. Em 2016, eles também se apresentaram algumas vezes com o grupo Tocando Em Frente, parceria com o músico Sérgio Reis. Com o +AR não será diferente.

 
RocketTheme Joomla Templates