Coluna Bernadete Alves - dia 10/01/2018

Famosa garota-propaganda na Austrália não suportou o bullying

A adolescente australiana, Ammy “Dolly” Everett, de 14 anos, ícone da famosa marca de chapéu australiana Akubra, não suportou a pressão e cometeu suicídio. No Facebook, Tick Everett, pai da adolescente, convidou “as pessoas que achavam que eram apenas piadas ou que se sentiam superiores pelo constante bullying” para irem ao funeral da filha e presenciarem “a completa devastação que criaram”.

A família também compartilhou um desenho feito por Dolly com os dizeres: “Fale mesmo se sua voz tremer”. “Essa mensagem nos mostra o lugar escuro e assustador para onde nosso lindo anjo foi”, comunicou a família. Os pais pediram que as pessoas se conscientizem do problema e não deixem que a morte da menina “seja desperdiçada”. A família manifestou intenção de criar um fundo para conscientizar sobre bullying, depressão, ansiedade e suicídio juvenil.

A empresa Akubra postou no Instagram uma foto de Dolly em uma de suas propagandas de Natal feita há oito anos. “Pensar que alguém pode se sentir tão sobrecarregado que essa é sua única opção é incomensurável. O bullying de qualquer tipo é inaceitável”, escreveu. A empresa também fez um apelo para que as pessoas fiquem atentas aos seus amigos.

Segundo a rede britânica BBC, uma a cada cinco crianças na Austrália já sofreu com bullying. O Centro Nacional contra o Bullying da Austrália (NCAB, na sigla em inglês) revela que as taxas de suicídio no país caíram na última década, porém há um aumento de registros da prática na esfera virtual.

O Programa Internacional de Avaliação dos Estudantes, mostra que, em ranking com 53 países,o Brasil está em 43º. No Brasil, aproximadamente um em cada dez estudantes de 15 anos é vítima frequente de bullying nas escolas. São adolescentes que sofrem agressões físicas ou psicológicas, que são alvo de piadas e boatos maldosos, excluídos propositalmente pelos colegas, que não são chamados para festas ou reuniões.

O relatório, feito pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, mostra que 17,5% dos jovens brasileiros de 15 anos disseram sofrer alguma das formas de bullying “algumas vezes por mês”; 7,8% disseram ser excluídos pelos colegas; 9,3%, ser alvo de piadas; 4,1%, serem ameaçados; 3,2%, empurrados e agredidos fisicamente. Outros 5,3% disseram que os colegas frequentemente pegam e destroem as coisas deles e 7,9% são alvo de rumores maldosos.

“O bullying tem sérias consequências tanto para o agressor quanto para a vítima. Tanto aqueles que praticam o bullying quanto as vítimas são mais propensos a faltar às aulas, abandonar os estudos e ter piores desempenhos acadêmicos que aqueles que não têm relações conflituosas com os colegas”, diz o estudo, que acrescenta que nesses adolescentes estão também mais presentes sintomas de depressão, ansiedade, baixa autoestima e perda de interesse por qualquer atividade.Os dados fazem parte do terceiro volume do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa) 2015, dedicado ao bem-estar dos estudantes.

Tanto o relatório quanto o lamentável suicídio de uma garota de 14 anos, que ficou famosa ao estrelar comercial do chapéu Akubra, aos 8 anos, chocou não só a Austrália como a todos nós. Este triste suicídio mostra a necessidade de relações mais fortes entre escolas e pais para que os adolescentes tenham o apoio de que necessitam, acadêmica e psicologicamente. Essa aproximação poderia contribuir muito para o bem-estar de todas as pessoas.

Escolas Públicas do DF recebem verba para manutenção

O GDF anunciou hoje o repasse de R$ 15 milhões para o Programa de Descentralização Administrativa e Financeira (Pdaf). O dinheiro pode ser usado para reformas e pequenos reparos nas escolas da rede pública de ensino do DF.

O Pdaf foi criado em 2007 e no ano passado virou lei, após aprovação da Câmara Legislativa por 19 votos a favor. No primeiro semestre de 2017, o programa transferiu R$ 30 milhões diretamente aos gestores das escolas aptas a receber o repasse. Mais de 600 das 673 unidades foram beneficiadas pelo Pdaf.

O governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, disse que o repasse vai beneficiar 334 escolas. A liberação do dinheiro vai ser concluída até o dia 15 de janeiro e chegará ao montante de R$ 29,7 milhões.

Futsal brasileiro está no topo do mundo

A Cearense Amandinha, ala do Leoas da Serra (SC), e campeã da Copa América de 2017 com a Seleção Brasileira, é a vencedora feminina da eleição realizada pelo site Futsal Planet. Português, pela quarta vez. A eleição contou com a participação de mais de 200 especialistas em futsal, entre técnicos e atletas profissionais. Amandinha desbancou outras nove atletas, inclusive companheiras de seleção, como Vanessa e Diana. A brasileira passa a ser a atleta com o maior número de vitórias em eleição anual.  Amandinha venceu a eleição com mais de 200 pontos de vantagem sobre a segunda colocada, a espanhola Amélia. A brasileira Vanessa — eleita melhor do mundo em 2010, 2011 e 2012 — completou o pódio da disputa, com o terceiro lugar.

Ricardinho conquista o penta entre os homens. Na categoria mais nobre do Agla Futsal Awards 2017, o português Ricardinho faturou o título pela quinta vez, superando Falcão, que tem quatro troféus. Quatro brasileiros concorriam com o craque de Portugal: Dyego, do Barcelona; Jackson Samurai, do Joinville; e os naturalizados Rodolfo Fortino e Humberto Honório, ambos com cidadania italiana.

O Brasil também foi escolhido como melhor seleção masculina.1º lugar- Brasil/masculina - 681 pts; e ficou em 5º lugar- Brasil/feminina - 249 pts.

Parabéns aos nossos atletas!

 
RocketTheme Joomla Templates