Coluna Bernadete Alves - dia 01/01/2018

Feliz e Abençoado 2018!

O ano Novo Chegou! “Ano Novo, vida nova!” é o que muitos dizem quando um ano termina e um novo se inicia. O ano novo não é um papel em branco em que se pode escrever a história a partir do zero.Trazemos conosco as coisas não resolvidas de 2017. E elas cobrarão seu preço no ano que se inicia. Se queremos ter um ano novo melhor e mais feliz a mudança deve começar dentro da gente.

O que 2018 traz eu não sei, mas a certeza que bate no meu coração é que o mesmo Deus que nos fez vencer todos os dias de 2017, é o mesmo que nos fará vencer cada amanhecer e anoitecer de 2018.Com ele está o controle de todas as coisas e com cada um de nós está a fé. Que a Mãe Maria guarde este ano e leve a paz de seu filho Jesus aos corações e ao mundo inteiro.

A todos aqueles que comigo dividiram lágrimas e sorrisos e permitiram-me fazer parte de algum momento de sua história, desejo um 2018 de muitas conquistas. Espero, igualmente, que ainda que sigamos por caminhos diferentes, possamos nos reencontrar novamente para celebrarmos essa maravilhosa aventura chamada VIDA!.

51º Dia Mundial da Paz

O tema escolhido pelo Papa Francisco para o Dia Mundial da Paz de 2018 é "Migrantes e refugiados: homens e mulheres em busca de paz".O papa convocou os líderes mundiais a fazer mais pelos refugiados e migrantes, a quem chamou de “os mais fracos e necessitados”. Francisco chama a atenção para a situação dos mais de 250 milhões de migrantes no mundo, dos quais 22 milhões e meio são refugiados.

Cerca de 40 mil pessoas acompanharam o discurso deste 1º de Janeiro na Praça São Pedro, no Vaticano.“Por essa paz, a qual todos têm o direito, muitos deles estão dispostos a arriscar suas vidas em uma jornada que é muitas vezes longa e perigosa. Eles estão dispostos a enfrentar a tensão e o sofrimento”, disse Francisco.

O papa destacou que a paz é um direito de todos e defendeu um esforço coletivo para não abandonar as populações que deixam seus lares. “Por favor, não extingamos a esperança em seus corações, não sufoquemos suas esperanças de paz. É importante que da parte de todos – instituições civis, educacionais, assistenciais e eclesiais – exista o esforço de assegurar aos refugiados, aos migrantes e a todos um futuro de paz”.

“Com espírito de misericórdia, abraçamos todos aqueles que fogem da guerra e da fome ou se veem constrangidos a deixar a própria terra por causa de discriminações, perseguições, pobreza e degradação ambiental”. Francisco recordou Santa Francisca Xavier Cabrini, padroeira dos migrantes. “Esta pequena grande mulher, que consagrou a sua vida ao serviço dos migrantes tornando-se depois a sua Padroeira celeste, ensinou-nos como podemos acolher, proteger, promover e integrar estes nossos irmãos e irmãs. Pela sua intercessão, que o Senhor nos conceda a todos fazer a experiência de que ‘o fruto da justiça é semeado em paz por aqueles que praticam a paz’”.

As celebrações de Ano Novo em Brasília e no Brasil

Com diversas cores e formatos, os fogos de artifício anunciaram a chegada de 2018. Minutos antes, no palco, a cantora Joelma fez a contagem regressiva para o novo ano. Por 10 minutos, as atenções do público de cerca de 40 mil pessoas que ocupava o gramado em frente ao Museu Nacional voltaram-se para o céu de Brasília.

A cantora Joelma iniciou o show por volta das 23h20 com a música Voando pro Pará. Toda de branco, Joelma surgiu para a plateia que, eufórica, entoava as canções da musica regional do Pará.

O ápice das festividades na Esplanada dos Ministérios se deu à meia-noite, mas a festa começou bem antes. As atrações locais subiram ao palco a partir das 19 horas do último dia do ano. A primeira a cantar foi Célia Porto. Essa foi a terceira vez dela no tradicional réveillon da Esplanada.“É sempre uma delícia cantar para um público como este. Foi muito bom, o espírito da festa é de amor e paz”, comentou depois de se apresentar.

Nos intervalos e troca de palco, o DJ Hool Ramos foi o responsável por animar a festa. Às 21h10, Alcione, a Marrom, se apresentou. A cantora, que foi a primeira atração nacional da noite, levou ao público canções de sua carreira, como Juízo Final, Mulher Ideal e Meu Ébano.

A festa na Prainha, que tem como objetivo valorizar e resgatar as manifestações culturais de matriz africana, tradições historicamente excluídas, começou por volta das 19 horas do domingo, dia 31 e, à meia-noite, a praça ficou iluminada com a queima de fogos, que durou 10 minutos.

A estimativa da Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social é que cerca de 4,5 mil pessoas estiveram na Praça dos Orixás, mais conhecida como Prainha. Com oferendas a Iemanjá e ritos religiosos de matriz africana, as pessoas comemoraram a virada do ano às margens do Lago Paranoá.

Para animar a celebração, o grupo baiano de afoxé Filhos de Gandhy e o cantor brasiliense de samba-rock Marcelo Café se apresentaram no palco montado no local. O governo de Brasília fez a segurança do local. Um efetivo de 16 agentes de trânsito do Detran-DF, 8 viaturas operacionais, guinchos e empilhadeira controlaram o trânsito.A Polícia Militar do Distrito Federal e o Corpo de Bombeiros também participaram da operação na Praça dos Orixás.

No céu do Rio de Janeiro, 25 toneladas de fogos multicoloridos foram disparadas de onze balsas e formaram imagens como figuras geométricas, corações, estrelas, carinhas felizes, círculos e espirais, com um grande final em tom de dourado. O show pirotécnico de 17 minutos foi acompanhado de todos os cantos da cidade maravilhosa.

Doze telões ajudaram o público a assistir à grande festa, 10 deles estavam espalhados pela orla e dois nas laterais do palco. Este foi o maior espetáculo de luzes registrado em Copacabana por um público recorde.

Anitta abriu o show com a orquestra Maré do Amanhã, da favela da Maré, um dos lugares mais pobres e violentos do Rio. Os músicos acompanharam a cantora em várias músicas e antes de ela entrar no palco tocaram um pout poupei dos sucessos da artista enquanto imagens antigas da carreira de Anitta eram exibidas em um telão no palco. "Essa orquestra é linda, um show de gente de música e com uma história de superação como a minha", declarou a cantora.

Após a queima de fogos, a popstar Anitta subiu ao palco de Copacabana com figurino sensual e acompanhada de um exército de dançarinos. O público foi ao delírio ao som do sucesso "Bang". “ Alô, Copacabana. Feliz 2018! Sem palavras para descrever o que é estar cantando para vocês. Obrigado, Rio de Janeiro, pelo convite”.

Para encerrar sua participação na festa da virada a cantora Anitta volta ao palco com novo figurino e encanta o público com o “Show das Poderosas”. A cantora mais uma vez abusou da sensualidade e foi ovacionada.

A festa de réveillon em Copacabana durou 10 horas e antes da virada a festa contou com shows de Frejat, Cidade Negra, Alex Cohen, Belo, Ana Petkovic e os DJs Tucho e Luis Henrique. Além da apresentação das escolas de samba Portela e Mocidade Independente de Padre Miguel, vencedoras do carnaval 2017 do Rio no encerramento. A apresentação dos shows ficou por conta de André Marques.

O Ano-Novo na praia de Copacabana, na zona sul do Rio de Janeiro, teve um público recorde, segundo a Riotur: 2,4 milhões de pessoas. Para o Réveillon, a ocupação nos hotéis da cidade chegou a 97%, de acordo com balanço da Abih (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis). Ao todo, foram cerca de 910 mil turistas na cidade para o evento.

 
RocketTheme Joomla Templates