Coluna Bernadete Alves - dia 21/12/2017

Vencedores do Prêmio Inep de Jornalismo 2017

Com o objetivo de estimular, divulgar, apoiar, incentivar e prestigiar trabalhos jornalísticos sobre educação, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira criou o Prêmio Inep de Jornalismo, lançado nas comemorações de 80 anos de fundação do Instituto, em janeiro deste ano.

Em sua primeira edição, o Prêmio Inep de Jornalismo teve 130 trabalhos inscritos, de 92 jornalistas diferentes. Foram 72 na categoria Avaliação da Educação Básica; 17 na categoria Avaliação da Educação Superior e 41 na categoria Estatísticas Educacionais. A premiação aconteceu ontem à noite na sede do Inep, em Brasília, e os grandes vencedores nas três categorias foram: o portal G1, o portal Tribuna do Ceará e o jornal Correio Braziliense (foto).

A jornalista Giuliana Morrone conduziu a cerimônia, que reuniu autoridades como o Ministro da Educação, Mendonça Filho; a secretária executiva do MEC, Maria Helena Guimarães de Castro; a presidente do Inep Maria Inês Fini, secretários do MEC, representantes da Capes, Consed, Undime, FNDE, jornalistas, especialistas em educação e servidores e colaboradores do Inep.

Na categoria Avaliações da Educação Básica o primeiro lugar ficou com o portal Tribuna do Ceará, com a matéria Vale da Rapadura dos jornalistas Jéssica Welma de Assis Gonçalves, Nasion Frota, Rafael Luís Azevedo, Roberta Tavares, Mayara Rodrigues e Adriano Paiva. A equipe de reportagem percorreu quase 1.000 quilômetros por estradas do Ceará para conhecer a rotina de seis escolas públicas com os melhores desempenhos no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) no Brasil. O nome da matéria é uma referência ao alimento produzido no estado e servido na merenda das escolas públicas. Em segundo lugar ficou a matéria O caminho das pedras: índices de desenvolvimento educacional guiam evolução do ensino básico em Pernambuco, do portal Diário de Pernambuco. O terceiro colocado é a Agência Social de Notícias, com a matéria “Rumo a 2022: como gestão, engajamento e inovação estão melhorando o Ideb em três estados”.

Na categoria Avaliações da Educação Superior o primeiro lugar ficou com o jornal Correio Braziliense, com a matéria O desempenho do ensino jurídico no DF. A matéria publicada originalmente no jornal impresso, e com complemento de vídeo em sua versão na internet, revela o desempenho dos cursos de direito da capital federal no último Exame de Ordem, e faz comparações com os Indicadores de Qualidade da Educação Superior calculados pelo Inep. Nesta categoria, por consenso, os jurados optaram por premiar apenas um trabalho, por considerarem que os demais não se adequaram aos critérios estabelecidos pelo regulamento.

Na categoria Estatísticas Educacionais a matéria premiada em primeiro lugar foi do portal G1: 35% dos professores de educação infantil não têm diploma; entenda a importância da formação em pedagogia, de Luiza Tenente.A partir de dados do Inep, a matéria discute a importância de o profissional que atua nos anos escolares iniciais ter a formação universitária em pedagogia.. Em segundo lugar ficou a série de três matérias Ensino (abaixo do) Médio, do Projeto Colabora. A terceira colocação foi do portal Uol, com a matéria Educação Infantil é lugar de homem? Eles mostram que sim.

Todos os sete premiados receberam troféus e certificados, emitidos também para todos os co-autores citados na inscrição. O Prêmio Inep de Jornalismo – Avaliações e Estatísticas Educacionais também ofereceu prêmio em dinheiro aos jornalistas vencedores: R$ 20 mil para os primeiros colocados; 15 mil, para os segundos; e R$ 10 mil, para os terceiros. A premiação é um oferecimento da Organização dos Estados Iberoamericanos para Educação, a Ciência e a Cultura (OEI).

A presidente do Inep, Maria Inês Fini, parabenizou os vencedores e informou que a segunda edição do Prêmio também será realizada em parceria com a OEI, mas terá mudanças de categorias. Os trabalhos poderão se inscrever na categoria Avaliações e Estatísticas da Educação Básica e Avaliações e Estatísticas da Educação Superior. Ambas vão premiar os melhores trabalhos em cada meio: impresso, TV, rádio e internet; além do Grande Prêmio, que premiará a melhor matéria da categoria, independentemente do meio. Poderão concorrer matérias publicadas a partir de 14 de novembro de 2017. O Inep publicará o regulamento com detalhamento das regras no primeiro bimestre de 2018.

Brasília sedia Cúpula de Chefes de Estado do Mercosul e Estados Associados

O presidente Michel Temer recebeu hoje os presidentes da Argentina, Maurício Macri; do Uruguai, Tabaré Vázquez; do Paraguai, Horário Cartes; da Bolívia, Evo Morales; e da Guiana, David Arthur Granger, e os representantes o Suriname, Equador, Chile, Colômbia, Peru e Egito para a 51° Cúpula de Chefes de Estado do Mercosul e Estados Associados. Na reunião, os países assinaram acordos em áreas como direito do consumidor e liberação de compras governamentais.

O Brasil presidiu o Mercosul durante o segundo semestre de 2017, depois da última Cúpula que decidiu suspender a participação da Venezuela do bloco. Em discurso antes do almoço oferecido aos chefes de Estado e demais participantes, o presidente Temer destacou o papel do bloco.“Temos razão de sobra para comemorar essa nossa obra comum. Juntos resgatamos a vocação original do Mercosul para o livre mercado, para a democracia, para os direitos humanos. Recobramos a vitalidade, o dinamismo deste que é nosso principal projeto de integração. Progredimos em todas as frentes na eliminação de barreiras ao comércio, nas negociações com parceiros externos e na defesa dos valores democráticos”, declarou Temer.

Entre os acordos assinados pelos países durante a cúpula está o que trata de contratos internacionais de consumo e permite iniciar um padrão coletivo para compartilhar os direitos do consumidor entre os países do bloco. Michel Temer estava otimista em relação às negociações do acordo entre o Mercosul e a União Europeia. Temer disse que, pela primeira vez em 20 anos de tratativas, há a perspectiva realista de que se conclua um acordo abrangente e equilibrado.

Ao final da reunião Temer transmitiu a presidência pro tempore do Mercosul para o presidente do Paraguai, Horácio Cartes. O Mercosul é formado pelo Paraguai, Uruguai, Brasil e Argentina e tem como estados associados o Chile, Peru, Colômbia, Equador, Guiana e Suriname. A Bolívia está em processo de adesão e a Venezuela, suspensa.

“Eu creio que está tudo muito preparado para que agora, sob a presidência do Paraguai, o Mercosul consiga fechar em definitivo o acordo com a União Europeia, que é algo que data de mais de 22 anos”, disse em entrevista a jornalistas após a reunião.

 
RocketTheme Joomla Templates