Coluna Bernadete Alves - dia 22/11/2017

Paulo Muniz assume presidência do CODESE/DF

O auditório da Confederação Nacional do Comércio, no Setor Bancário Norte, foi palco na noite de ontem, da cerimônia de posse da nova diretoria do Conselho de Desenvolvimento Econômico, Sustentável e Estratégico do Distrito Federal (Codese-DF) para o biênio 2017-2019. O Codese tem caráter propositivo e consultivo em relação ao planejamento econômico sustentável de Brasília e do Entorno. É um elo entre a sociedade organizada e o governo a fim de apresentar sugestões para que a administração pública responda com ações às necessidades da população, gerando empregos e desenvolvimento sustentável.

O grupo é composto por representantes do setor produtivo e da sociedade civil organizada, como integrantes de sindicatos e de associações e discute propostas do setor produtivo para o desenvolvimento econômico da capital brasileira, especialmente até 2030.

O presidente eleito Paulo Roberto de Moraes Muniz disse que o Codese-DF é uma mobilização necessária no fomento à participação social nas questões públicas. “Estamos unidos para concentrar esforços e distribuir responsabilidades entre o setor produtivo, governo e sociedade, para alcançarmos o desenvolvimento econômico e sustentável no DF”.

Paulo Muniz, que é também presidente da Ademi-DF, disse que a entidade elaborou uma série de metas emergenciais para análise do governo de Brasília. “São propostas e objetivos relativamente simples, feitos por cada câmara técnica para que consigamos implementá-las na cidade.”

O presidente do Sinduscon Luiz Carlos Botelho, foi empossado como vice-presidente do Codese para este novo biênio. A sede do conselho fica no Sinduscon. Segundo Botelho, as expectativas são de entregar, ainda neste ano, um planejamento a médio e longo prazo para a cidade. “Vamos contemplar ações públicas e privadas, bem como a questão da escolha de parâmetros de controle da execução desse planejamento. Teremos metas a serem atingidas, que serão paralelas às atividades governamentais”, afirmou.

Também tomaram posse os outros membros da diretoria executiva e os 17 conselheiros (5 deliberativos, 6 fiscais e 6 consultivos) da entidade. Superintendente Márcio Flávio Mafra, Diretor Administrativo Fernando Pedro Brites. No Conselho Deliberativo: Luiz Afonso Delgado Assad, Jael Antonio da Silva, Pedro Henrique Achacar Verano, Cleber Roberto Pires e José Carlos Magalhães Pinto. No Conselho Fiscal estão Edson de Castro, Adriano de Andrade Marrocos e Amarildo Fiuza. O presidente da OAB/DF, Juliano Costa Couto tomou posse como conselheiro e o diretor tesoureiro da Seccional, Antonio Alves, tomou posse como conselheiro fiscal.

“O intuito é promover o desenvolvimento do Distrito Federal por meio da iniciativa privada. Buscamos, com isso, apoiar também a jovem advocacia, gerando oportunidades de trabalho e auxiliando a categoria a enfrentar o período de crise”, explica o presidente da OAB/DF, Juliano Costa Couto, que tomou posse como conselheiro da entidade. Costa Couto observou que a iniciativa respaldará Brasília na busca por sua vocação empresarial e prestação de serviços. “A OAB/DF tem como uma das principais preocupações o fomento da empregabilidade dos profissionais da advocacia e o Codese auxiliará neste objetivo” declara Antonio Alves.

O governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, agradeceu a parceria com o colegiado, afirmou que vai analisar a lista atentamente para verificar as que podem ser alcançadas nesta gestão. Falou que é fundamental que a sociedade participe ativamente das decisões públicas. “Precisamos construir juntos as alternativas para resgatarmos a vocação inovadora e vanguardista da nossa cidade.” Rollemberg disse que tem esperança, confiança e otimismo na cidade e no país. “Brasília é a maior prova da capacidade do nosso povo, obra de gênios das mais diversas áreas e de milhares de trabalhadores”, definiu.

O governador enumerou medidas que têm contribuído para a recuperação da economia local e para a criação de um ambiente de empreendedorismo. Entre elas, citou avanços na legislação, como a regularização dos puxadinhos da Asa Sul e da Asa Norte, a aprovação da lei da permeabilização do solo e a substituição dos relatórios de impacto de trânsito pelos polos geradores de viagem.

O governador mencionou ainda a retomada de instrumentos importantes para o crescimento econômico, como a aprovação da lei de convalidação de incentivos fiscais, que permite ao DF conceder à indústria os mesmos benefícios que o estado de Goiás, o Financiamento ao Desenvolvimento Econômico e Sustentável do Distrito Federal, e o Financiamento Especial para o Desenvolvimento – Fide.

O Codese foi criado em março de 2017 e é dividido em 17 câmaras setoriais, onde os técnicos e voluntários, debatem questões sociais e urbanas e sugerem ações efetivas, em parceria com a administração pública. Com a participação de mais de 50 entidades, o grupo reúne membros que compõem a Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno (Ride), além de representantes da Secretaria de Economia, Desenvolvimento, Inovação, Ciência e Tecnologia e da Secretaria de Fazenda do DF.

Kendall supera Gisele Bündchen como mais bem paga do mundo

Pela primeira vez em quinze anos, Gisele Bündchen não lidera a lista de modelos mais bem pagas do mundo. O posto ocupado pela brasileira desde 2002 agora, é de Kendall Jenner, segundo divulgou a Forbes nesta terça-feira. A jovem de 22 anos, meia-irmã de Kim Kardashian, ganhou estimados 22 milhões de dólares durante o ano graças a seus trabalhos nas passarelas e seus 84 milhões de seguidores no Instagram, que a ajudaram a lançar sua própria marca de roupas e conseguir acordos com marcas como Adidas e Estée Lauder.

Gisele Bündchen, 37 anos, mesmo tendo se aposentado das passarelas em 2015,continua ocupando altas posições no ranking das modelos mais bem pagas ano após ano. Nesta edição, contratos como o de perfumes com a grife Carolina Herrera e os de publicidade para as marcas brasileiras Arezzo e Vivara renderam à top model US$ 17,5 milhões.Gisele faturou 17,5 milhões de dólares no período e caiu para a segunda posição após quinze anos ocupando o topo do ranking da 'Forbes'.

De acordo com a Forbes, as dez modelos mais bem pagas do mundo receberam um total acumulado de 109,5 milhões de dólares no ano. A revista estimou ganhos a partir de contratos de cosméticos, fragrâncias e outros e com base em entrevistas com empresários, agentes e diretores de marcas.

A americana Chrissy Teigen, 31 anos, passou a integrar a lista pela primeira vez, assumindo a terceira posição, com ganhos estimados em 13,5 milhões de dólares. Ela é casada com o cantor Jonh Lejend.

A brasileira Adriana Lima, de 36 anos, que em 2016, faturou 10,5 milhões de dólares, com as marcas Maybelline, Vogue Eyewear, entre outras, em 2017 ficou em quarto lugar com US$ 10,5. Além da Victória’Secret, Marc Jacobs e Sportmax, a top é apresentadora do reality show “ American beauty star”.

Outro destaque do ranking é a presença inédita de uma modelo plus-size: Ashley Graham ficou na décima posição, com renda estimada em 5,5 milhões de dólares entre 1º de junho de 2016 e 1º de junho de 2017. Ashley se tornou em 2016 a primeira modelo plus-size a ser capa da revista Sports Illustrated. Apesar de ter começado na carreira há mais de uma década, a defensora da positividade em relação ao corpo explodiu neste ano como a primeira modelo com tamanho de roupa 14 – o equivalente a 48 no Brasil – a figurar na capa da revista “Sports Illustrated”. Ela está na lista de modelos mais bem pagas pela primeira vez graças a suas próprias linhas para as marcas Addition Elle, Dressbarn e Swimsuits For All e campanhas com para Lane Bryant e H&M, entre outras.

 
RocketTheme Joomla Templates