Coluna Bernadete Alves - dia 21/11/2017

Conjunto Nacional comemora 46 anos em Brasília

O primeiro shopping de Brasília, o Conjunto Nacional, comemora neste 21 de novembro, 46 anos de atividades na capital do pais. Para celebrar tão importante data só com muitas surpresas para os clientes e para a cidade.

O shopping que é tombado pela UNESCO como Patrimônio Histórico e Cultural da Humanidade,coloriu parte de sua fachada com ícones clássicos e mais representativos com a cara da cidade. O artista plástico e ilustrador brasiliense Pedro Sangeon, criador do personagem Gurulino, um ser carismático de três olhos que estampa dezenas de espaços da capital com frases reflexivas, é o responsável pela arte do mural monumentos.

O mural externo sul, voltado para a Rodoviária, ganhou cores vibrantes e grafismos da arte urbana como a escultura de Juscelino Kubitschek, Os Dois Candangos, a Catedral, a Praça dos Cristais, o Museu Nacional e o famoso personagem Gurulino. “Para criar a arte do mural, me inspirei na história da própria cidade e suas características mais originais, como o espetáculo diário das cores do pôr do sol brasiliense, o céu noturno em dia de lua, igualmente belo, os ipês, a beleza do desenho de vários dos monumentos e a presença de símbolos contemporâneos, como o Gurulino, que faz parte dessa atual efervescência artística que Brasília vem consolidando, para se reinventar e definir sua própria cultura e costumes”, declara Sangeon.

A gerente de Marketing do Conjunto Nacional, Cláudia Durães, diz que a cultura sempre fez parte do DNA do shopping.“O Conjunto Nacional tem sempre a preocupação de trazer música, exposições e programação infantil para o shopping. A arte urbana ocupa um espaço especial no emocional do brasiliense e, além de valorizar essas importantes expressões artísticas da linguagem das ruas e da sociedade irão trazer um pouco desse trabalho incrível do Pedro para perto de nossos clientes”, declara Cláudia Durães.

O Conjunto Nacional, o shopping mais icônico de Brasília, vai homenagear 20 brasilienses que completarão 46 anos na data. A Praça de Alimentação receberá o stand up comedy de Fernando Sardinha. Além disso, serão distribuídos balões personalizados.

A brasileira Ancar atua no setor de shopping centers desde a década de 70, como uma das responsáveis pelo desenvolvimento do primeiro shopping de Brasília e segundo shopping construído no Brasil: o #ConjuntoNacional. A experiência em desenvolver mercados virou sua marca registrada: desbravou outras cidades para novos empreendimentos - como Porto Alegre e Porto Velho, e construiu o segundo shopping center do Nordeste, em Recife. Em 2006 a Ancar , uma das empresas líderes do mercado de shopping centers no Brasil, presente nas cinco regiões do País, se uniu a canadense Ivanhoe Cambridge, para criar a Ancar Ivanhoe, marcando a entrada da empresa canadense no Brasil. Em apenas oito anos passou de seis para 23 shoppings em seu portfólio - estando dois deles em fase de desenvolvimento. Desse total, 17 são empreendimentos próprios e seis sob administração da Ancar Ivanhoe. A canadense Ivanhoe Cambridge, empresa imobiliária que está entre as maiores do mundo, é proprietária de empreendimentos na América do Norte, Europa e Ásia.

Acaba a ditadura em Zimbábue, a mais longa do mundo

No poder desde 1980, o ditador Robert Mugabe, de 93 anos, renunciou ao cargo de presidente de Zimbábue nesta terça-feira. A renúncia do decano dos chefes de Estado ativos no mundo,foi apresentada durante sessão extraordinária do Parlamento, na capital Harare, antes de começar a votar o pedido de destituição do político apresentado por seu próprio partido a União Nacional Africana do Zimbábue Frente Patriótica (ZANU-PF).

O documento foi lido pelo presidente da Assembleia Nacional, Jacob Mudenda. "Eu, Robert Gabriel Mugabe (...) apresento formalmente a minha renúncia à presidência da República do Zimbábue com efeito imediato".Na última semana, Mugabe sofreu intervenção militar após demitir o vice-presidente Emmerson Mnangagwa. Ele acabou substituído por Manangagwa. O ditador e sua família chegaram a ficar retidos em prisão domiciliar.

O antigo professor que se tornou ditador prometeu um país próspero, mas seus 37 anos de governo foram marcados pelo autoritarismo e ruína econômica. Robert Mugabe tinha 56 anos quando conduziu o Zimbábue à independência do Reino Unido, em 1980, e assumiu a liderança do país como primeiro-ministro e, mais tarde, como presidente, em 1987.

Desde que chegou ao poder, em 1980, Mugabe viveu anos indiferente aos problemas nacionais. Enquanto a imprensa internacional noticiava casos de hospitais públicos sem medicamentos ou equipamentos sanitários, Mugabe organizava festas milionárias para celebrar o seu aniversário. Robert Mugabe criou um país onde mais de metade dos cerca de 16 milhões de cidadãos continuam precisando de ajuda humanitária para enfrentar a fome. No Zimbábue, as epidemias de cólera continuam castigando a população e o seu combate depende da presença de organizações de ajuda humanitária.

Mais cedo nesta terça, o ex-vice-presidente Emmerson Mnangagwa também pediu que o ditador aceitasse “a vontade do povo” e deixasse a presidência. Ele foi um dos principais pivôs da crise política. Mugabe demitiu Mnangagwa para abrir caminho na presidência a sua esposa, Grace, que é impopular entre muitos zimbabuanos. Mnangagwa afirmou ter sido ameaçado de morte após a demissão e por isso deixou o país e foi para a África do Sul. A ação levou o exército a tomar o poder e a colocar Mugabe em prisão domiciliar.

Além disso, o partido decidiu também expulsar da formação a primeira-dama, Grace Mugabe, 52, em meio à situação de incerteza política no país do sul da África. Após o anúncio da renúncia Mugabe, membros do Parlamento comemoraram e multidões tomaram as ruas da capital do país, Harare, celebrando a saída do ditador.Emmerson Mnangagwa vai comandar o país até 2018 quando devem ocorrer as eleições.

Mugabe será lembrado como um homem de duas faces: o combatente pela liberdade que prometeu uma nação próspera, mas que se tornou o ditador de um povo que vive na extrema pobreza.

Meirelles e Rollemberg participam de jantar do Sindivarejista-DF

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, foi recebido em evento de confraternização do grupo Empresários em Ação – Sindivarejista-DF, em Brasília, na noite de segunda-feira, com alguns gritos de “presidente”. Disse estar totalmente concentrado no seu trabalho como ministro da Fazenda.

O ministro citou mudanças anteriores em sua carreira e disse que até o dia de cada decisão, esteve “totalmente concentrado” em suas funções. Ele falou que a Presidência da República não é questão de desejo, mas de “oportunidade e destino”. “Vamos em frente”, importante agora é que Brasil cresça ano que vem”, disse Meirelles.

Ele assegurou que cumprirá suas funções até o final do 1º trimestre de 2018 porque quem for disputar as eleições terá de deixar o governo até abril. “A partir daí, vamos olhar a situação e tomar uma decisão”, afirmou. Meirelles destacou a importância dos empresários para as finanças brasileiras diante de crises econômicas.“Eles incentivam a economia com produção e com serviços, além de criar empregos.”

O governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, também participou do encontro com cerca de 250 empresários do setor produtivo do Distrito Federal. Além dos empreendedores, a reunião, em um restaurante do Setor de Clubes Sul, contou com a presença dos secretários de Economia, Desenvolvimento, Inovação, Ciência e Tecnologia, Antônio Valdir Oliveira Filho, e de Relações Institucionais e Sociais, Igor Tokarski.

“Quero manifestar o respeito, o apreço e a admiração pelos empresários que acreditaram em Brasília. Com o seu esforço e a crença no futuro, constroem uma cidade e um País melhores”, declarou o governador Rollemberg. O chefe do Executivo local citou as ações do governo que fomentam a economia da cidade, como o Simplifica PJ, espaço que reúne serviços para facilitar a abertura e regularização de empresas, e a sanção da Lei Complementar nº 160, que torna o DF mais atraente para a indústria.

 
RocketTheme Joomla Templates