Coluna Bernadete Alves - dia 20/08/2017

Monalysa Alcântara é a nova Miss Brasil 2017

O Teatro de Vermelhos, em Ilhabela, litoral de São Paulo, foi palco na noite de ontem da 62ª edição do concurso Miss Brasil BE Emotion. A estudante de administração, Monalysa Alcântara, de 18 anos, representante do Piauí, desbancou as outras 26 concorrentes, com a beleza e o charme da mulher negra distribuídos em um corpo escultural de 58 kg e 1.77m. Além dos atributos físicos, a elegância e o belíssimo sorriso, destacaram a teresinense diante das outras finalistas na disputa nacional.

A Miss Brasil 2017, Monalysa Alcântara,ganhou um caro zero km da Kia Cerato, um relógio Bulova, uma joia Dryzun, uma viagem com acompanhante em classe executiva e hotel 5 estrelas para Dubai e um contrato publicitário de R$ 100 mil com a Polishop. Ela irá representar o país no Miss Universo, marcado para o mês de novembro. Monalysa comemorou a vitória da mulher negra e do seu estado. “Realizei um sonho, e sonhei pelo meu Piauí”, comentou após a cerimônia de coroação. A Miss Brasil diz que se inspira na modelo da marca internacional Victoria´s Secrets, Laís Ribeiro, que é piauiense. Gosta de praticar vôlei, ouvir Karol Conka, e comer Maria Isabel.

O primeiro desafio das misses foi participar de um jogral em que elas precisaram apresentar seus estados em um desfile ao som de “Descobridor dos Sete Mares” de Lulu Santos. Depois encararam o júri técnico, a primeira peneira do concurso. As misses Pernambuco, Alagoas, Paraná, Bahia, Tocantins, Piauí, Sergipe, Mato Grosso, Maranhão, Acre, Goiás, Rio Grande do Norte, Espírito Santo, Rio Grande do Sul foram selecionadas pelos juízes, e a Miss Amazonas avançou na competição por ter sido a mais votada no Twitter e no site da Band, que transmitiu o concurso ao vivo.

No Top 10 as representantes de Espírito Santo, Sergipe, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Maranhão, Acre, Ceará e Alagoas. Ao som de “Sua Cara” de Anitta e Pablo Vittar, as garotas desfilaram pelo palco. Depois de mais uma avaliação dos juízes, as misses Piauí, Rio Grande do Sul, Sergipe, Espírito Santo e Pernambuco seguiram para a etapa das perguntas. Os jurados questionaram sobre ditadura da magreza e sobre as vitórias das mulheres nos últimos anos. Cássio Reis chamou as misses Piauí, Espírito Santo e Rio Grande do Sul para o TOP 3 do concurso, e ainda trouxe ao palco a Miss Brasil 2016 Raissa Santana para seu último desfile antes de passar a coroa.

Os jurados declararam ao vivo seus votos, até ficar apenas Monalysa Alcântara do Piauí e a Miss Rio Grande do Sul, Juliana Mueller. Natural de Canoas, Juliana defendeu, durante o concurso, a simplicidade e o amor à família e aos amigos. A Miss Espírito Santo, Stephany Pim, ficou em terceiro lugar.

A nova Miss Brasil 2017, Monalysa, se destacou no vestido de gala. Ela usou um vestido de cor rosa bebê curto na frente com uma calda atrás. Determinada, a jovem negra piauiense não deslizou nenhuma vez na passarela e muito menos em seus discursos. Demonstrou uma confiança rara.“Eu se for eleita Miss Brasil quero levar o poder às mulheres, quero dar voz a vocês, mostrar a força de vontade e combater o preconceito e machismo”, finalizou sua fala levando a plateia aos gritos.

Natural de Teresina, Monalysa reside atualmente no bairro São Cristovão, na zona leste. Neta de quebradeira de coco, caminhou de pés descalços no chão batido e na mata e aos 5 anos perdeu seu pai. A nova miss diz que tem muito orgulho da sua origem e que a sua família sempre a ensinou a ter garra, foco e a não desistir dos sonhos.

“A minha família é um grande exemplo de que nunca posso desistir. E de que se você for pobre não significa que você não pode ‘subir’ e vencer na vida. Meu pai veio de um interior pobre e que só agora chegou energia lá. Meu pai teve a oportunidade de vencer, ingressou em uma família, quando criança, focada na área do Direito, e ele estudou bastante, trabalhou e entrou na polícia civil. Ele era a prova de que você tem batalhar. A família do meu pai era muito grande e bastante pobre. A minha avó era quebradeira de coco babaçu e meu avô era vigia de uma escola em Teresina. E foi quando meu pai decidiu mudar de realidade e veio para Teresina, onde adotado pelos padrinhos dele. E aqui ele conseguiu melhorar de vida e ter condições de ajudar meus tios".

Monalysa conta que até hoje as pessoas elogiam o caráter e a personalidade de seu pai. “Fico feliz em saber o quanto meu pai era honesto, simples, humilde e como ajudava as pessoas. E eu não esqueço essas características, justamente para basear nelas e orgulhar ele onde estiver. Porque sinto com tantas histórias dele, que ele não morreu, sabe?! Porque temos muitas coisas em comum, como a cor. E é por isso que sempre busquei me inspirar nele”, disse. “Meu pai é a minha referência”, acrescenta. É claro que a minha mãe foi e é importante para mim. Ela é supervisora de uma madeireira e tem muitas qualidades, como uma força muito grande e que a ajudou sustentar os filhos.

Monalysa conta que o sonho de ser modelo surgiu na infância, mas o desejo de abrilhantar como Miss nasceu na adolescência. “Sempre quis ser modelo. Já o sonho de Miss era um sonho distante na infância. Porque não se via muitas negras participando de concursos de beleza nessa época, é por isso que eu não acreditava muito que um dia participaria e teria chances de ganhar. Nessa fase também me sentia muito feia e não gostava do meu cabelo e da minha magreza. E por causa disso recebi muitos apelidos. Mas foi na adolescência que as coisas foram mudando e assumi meus cachos e minha personalidade. E busquei na moda, um refúgio e uma porta. E aos 16 anos, comecei a estudar, a gostar de concursos de beleza e a desfilar nas passarelas”, conta a Miss Brasil 2017.

Morre aos 91 anos Jerry Lewis, o Rei da Comédia

O ator Jerry Lewis, um dos maiores comediantes de todos os tempos, faleceu neste hoje de causas naturais ao lado da família em sua casa em Las Vegas, no estado de Nevada. A notícia foi dada pelo jornalista John Katsilometes, do “Las Vegas Review-Journal”. O consagrado ator Jerry Lews deixa a mulher, a atriz SanDee Pitnick e seis filhos.

O 'rei da comédia' se imortalizou no papel de 'O Professor Aloprado' e nas apresentações ao lado do cantor Dean Martin, com quem atuou a partir de 1946 e formou uma das duplas mais memoráveis do humor americano. Dean era o elegante da dupla, especialmente quando cantava, enquanto Jerry Lewis exercia o papel do parceiro imprevisível. Os espetáculos eram totalmente abertos à improvisação.

No cinema Jerry fez em 1960 o Mensageiro Trapalhão e em 1961 o Terror das Mulheres. Mas o filme mais famoso de sua carreira é a comédia “O Professor Aloprado”, de 1963. Protagonizado e produzido por ele, o longa conta a história do atrapalhado professor universitário Julius Kelp. Depois de ser humilhado por alunos e quase demitido da instituição de ensino pelas constantes trapalhadas em que se envolve, Kelp cria uma fórmula que o faz ser elegante, charmoso e bom de papo. Nasce então Buddy Lee. O filme ganhou uma nova versão na década de 1990, quando Eddie Murphy viveu o professor aloprado.

Já o antepenúltimo trabalho de Jerry como ator foi o filme brasileiro "Até que a Sorte nos Separe 2", em que trabalhou com Marcius Melhem e Leandro Hassum. Na época das filmagens, o ator estava com 87 anos.

Seu último filme, lançado no ano passado, foi "A Sacada", em que faz um papel secundário. O último como protagonista foi "Max Rose", de 2013, o primeiro em que ele fez o papel principal desde "Rir é Viver", de 1995.

A última apresentação de Lewis nos palcos ocorreu no hotel South Point, em Las Vegas, em outubro de 2016. Lewis foi um modelo a ser seguido para muitos comediantes e humoristas. Leandro Hassum, que tem um autógrafo de Lewis tatuado no braço, lamentou morte do ídolo. "O céu está cada vez mais incrível", postou no Twitter.

 
RocketTheme Joomla Templates