Coluna Bernadete Alves - dia 16/08/2017

Inibidor do vírus Zika é descoberto pela Fiocruz Pernambuco

Cientistas da Fundação Oswaldo Cruz descobriram substância que pode bloquear o vírus Zika. Pela descoberta, a substância 6MMPr “imita” uma parte do vírus, que é inserida no genoma do zika e impede a reprodução. A substância, sintética, é do grupo das Tiopurinas, origem de medicamentos contra o câncer.

Os testes foram realizados in vitro pelo Departamento de Virologia e Terapia Experimental da Fiocruz Pernambuco. Em mais de 99% dos testes a produção do vírus diminuiu com a 6MMPr, usando diferentes dosagens e tempos de reação. O estudo foi publicado na última sexta-feira, na revista International Jornal of Antimicrobial Agents, mas a instituição divulgou a descoberta somente agora.

O estudo também identificou que a 6MMPr é menos tóxica para as células neurais, uma boa notícia para futuros tratamentos de infecções no sistema nervoso. “Diante das manifestações neurológicas associadas ao vírus Zika e os defeitos congênitos provocados pelo mesmo, o desenvolvimento de antivirais seguros e efetivos são de extrema urgência e importância”, afirma o cientista Lindomar Pena, coordenador da pesquisa. Foi descoberto também que quanto mais alta a dose, maior é a eficácia, e quanto mais cedo a substância começa a atuar, maior é o sucesso.

De acordo com Lindomar Pena, a descoberta é importante mas ainda há muitas etapas e anos de estudo antes que a 6-metilmercaptopurina ribosídica (6MMPr) vire um medicamento a ser produzido em larga escala e que o tempo médio até que isso ocorra é de 10 anos. “Mas, por causa da importância e da gravidade do zika, pode ser que esse período possa ser reduzido pela metade”.

O cientista diz que o próximo passo é o teste em camundongos. São necessárias ainda outras duas espécies de animais até chegar ao teste em humanos. Para saber se é possível utilizar um possível medicamento em grávidas para que o bebê fique protegido, ainda será necessário fazer o teste em fêmeas prenhas. “Se for prejudicial, podemos melhorar a substância, fazendo modificações químicas. Já temos parceria com a Universidade Federal Rural de Pernambuco para isso”, assegura o pesquisador Lindomar.

O coordenador da pesquisa, Lindomar Pena, informa que a investigação da substância que bloqueia a produção do vírus Zika começou há um ano. A pesquisa foi financiada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e pela Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia de Pernambuco (Facepe). O próximo passo da pesquisa é uma avaliação in vivo, ou seja, feita em um organismo vivo.

Os pesquisadores da Fiocruz trabalhavam com a 6MMPr em um outro estudo, para combater um vírus de cachorro, a Cinomose canina. “Nós identificamos que ela tem atividade contra a Cinomose. E por ser um vírus de RNA, assim como o Zika vírus, nós formulamos a hipótese que também funcionaria contra o zika”, conta o coordenador da pesquisa, Lindomar Pena.

Leovanna recebe imprensa com festival de pizzas

LeovannaLeovanna

O empresário Raymundo Chacon recebeu jornalistas e formadores de opinião, para apresentar o Leovanna, nova pizzaria e restaurante da cidade, na 202 Sul, Bloco A. A casa tem dois amplos salões com capacidade para atender até 150 pessoas, mobiliário em madeira e integração com os jardins externos, assinado pelo paisagista Mendo Barreto.

LeovannaBernadete Alves

Para surpreender os mais apurados paladares o empresário Chacon contou com a consultoria do chef Isaías Soares e do pizzaiolo Gregory Cotrin. A carta de vinhos foi montada pela Del Maipo com rótulos nacionais, franceses, espanhóis, portugueses e chilenos.

LeovannaLeovanna

O anfitrião e o pizzaiolo falaram sobre os ingredientes e a massa ideal. Chacon disse que tem como ponto de honra a qualidade dos ingredientes, sempre os mais frescos possíveis, em sua maioria adquiridos de produtores locais. “Fala-se na ‘Santíssima Trindade’ da boa pizza, que é formada pela massa, pelo queijo e pelo molho. O nosso molho, o autêntico pomodoro, é artesanal, feito na nossa cozinha. O queijo vem de Goiás, de uma indústria familiar que se esmera na qualidade de seus produtos. E a farinha vem da Itália, finíssima, de moagem duplo zero, o que garante uma massa firme e crocante, porém macia. A massa da casa, "descansa" por 48 horas antes de virar pizza”.

LeovannaLeovanna

No cardápio desde as receitas de pizzas tradicionais e doces, passando pelas inventivas com sabores inusitados, até as fitness! “Temos os grandes clássicos da pizzaria e desenvolvemos, ainda, as pizzas especiais e nobres. E como nosso objetivo é reforçar o poder que a pizza tem de convidar à confraternização, apostamos, também, nas opções fitness para ninguém ficar de fora”, afirma Raymundo Chacon.

LeovannaLeovanna

O empresário lembrou que atualmente o lazer está cada vez mais comprometido. “Para uma família, por exemplo, ir ao cinema e depois ir a uma pizzaria se tornou um programa caro. Nossa proposta, então, é oferecer um preço justo para que a família toda e grandes grupos possam se divertir e se deliciar com uma pizza de qualidade. A dica é reservar a segunda ou terça-feira para conhecer o rodízio da casa, onde a deliciosa extravagância gastronômica sairá por R$39,90 por pessoa”.

A Leovanna funciona todos os dias das 18h às 00h.

Casa Civil vai coordenar Identidade Jovem no DF

Foi publicado no Diário Oficial do Distrito Federal desta quarta-feira, o decreto que cria o Comitê Distrital de Acompanhamento e Fiscalização do programa Identidade Jovem. A coordenação do ID Jovem ficará por conta da Secretaria Adjunta de Relações Institucionais e Sociais, da Casa Civil. O programa é coordenado pela Secretaria Nacional da Juventude, do governo federal.

O ID Jovem é voltado a pessoas de 15 a 29 anos, de baixa renda. Com ele, é possível pagar meia-entrada em eventos artísticos, culturais, de lazer e esportivos. Também há vagas gratuitas ou com desconto no sistema de transporte coletivo interestadual, conforme disposto no Decreto Federal nº 8.537, de 2015.

O secretário adjunto de Relações Institucionais e Sociais, Igor Tokarski, disse que cerca de 100 mil jovens brasilienses serão beneficiados pelo programa. “Estamos buscando diversas formas de inclusão para que eles tenham acesso à cultura, ao esporte e ao lazer e o direito de ir e vir.”

Para participar do ID Jovem, o interessado deve estar inscrito no cadastro único do governo federal, o CadÚnico, ter renda familiar de até dois salários mínimos e o número de identificação social (NIS), que pode ser consultado no Cartão Cidadão, no extrato do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), na carteira de trabalho e no aplicativo da ID Jovem.

Igor Tokarski diz que no dia 1º de setembro haverá um mutirão no Centro de Artes e Esportes Unificados (CEU das Artes) do Recanto das Emas, Quadra 113, para divulgar as condições para os interessados no benefício, bem como os meios de acesso para obter o cartão ID Jovem. O evento será monitorado pela Casa Civil do Distrito Federal em parceria com a Secretaria Nacional da Juventude. Antes disso, professores de oito escolas de ensino médio do Recanto das Emas serão capacitados para orientarem os alunos sobre o programa.

 
RocketTheme Joomla Templates