Coluna Bernadete Alves - dia 26/07/2017

Queda da fertilidade masculina preocupa pesquisadores

Estudo liderado pelo epidemiologista Hagai Levine, da Universidade Hebraica de Jerusalém, em Israel, observou que entre os homens da América do Norte, Europa, Austrália e Nova Zelândia a concentração de espermatozoides caiu 52,4% e a contagem total de células reprodutivas no esperma diminuiu 59,3%. Para os cientistas, isso representa, em média, uma queda de concentração do esperma de 1,4% ao ano.

Para chegar a esta conclusão os cientistas fizeram a análise de 185 pesquisas, realizadas desde 1973 até 2011 em diversos países. Os dados, do maior estudo já feito sobre o assunto, mostram a grande redução da fertilidade masculina ao redor do mundo, principalmente em homens asiáticos. O novo estudo foi publicado no periódico científico Human Reproduction Update.

Hagai Levine declarou à rede britânica BBC que se a tendência continuar, isso pode levar à extinção do ser humano. “Se não mudarmos a forma como estamos vivendo, a maneira como nos relacionamos com o ambiente e os produtos químicos aos quais estamos expostos, eventualmente podemos ter um problema grande relativo à nossa reprodução. E ele pode levar ao fim da espécie humana”, disse o cientista.

Levine disse que ainda não se sabe o que pode estar causando o declínio de espermatozoides. Que em pesquisas anteriores, a queda havia sido relacionada a condições ambientais, ao cigarro, ao estresse, ao sedentarismo e à obesidade. “Precisamos tomar uma atitude. Por exemplo, estabelecer regulações melhores de produtos químicos produzidos pelo homem. E precisamos continuar com nossos esforços para combater o cigarro e a obesidade”, declarou o cientista.

Estudo realizado pela Universidade de Úrmia, no Irã, mostra que a prática regular de exercícios físicos traz benefícios para o sistema reprodutivo masculino, pois aumenta a contagem e melhora a qualidade dos espermatozoides.

Praticar exercícios físicos regularmente faz bem para a saúde como um todo.

Teatro da Caesb Águas Claras recebe “Terapia de Casal”

Terapia de Casal

O espetáculo é de responsabilidade do Grupo Amarração coordenado pela dramaturga Cleuza Brandão. O grupo possui mais de vinte espetáculos e peças teatrais apresentados aqui em Brasília e em outros estados brasileiros e agora apresenta a peça “Terapia de Casal”, dia 28 às 21 horas no Teatro da Caesb Águas Claras. Ingressos a R$ 50 e R$ 25.

O Amarração foi formado há 11 anos por bancários e atores amadores, como parte de um projeto ligado ao desenvolvimento de recursos humanos da Caixa Econômica Federal. Com o apoio de diretores renomados foi consagrado nos circuitos de teatro corporativo, e agora inicia sua nova caminhada para os teatros de bilheteria. Os textos, sempre voltados para o humor, são frutos de muita pesquisa. “Cada personagem e cada frase é fruto de muito estudo. Os textos são enxutos e nada está ali por acaso”, afirma a dramaturga Cleuza.

A comédia “Terapia de Casal”, conta a história de Marina e Otávio, um casal que enfrenta uma crise, porque ele se recusa a ajudar nas tarefas domésticas. Na tentativa de salvar o casamento, Marina propõe uma terapia de casal. Ele também não aceita. Desesperada, ela pede ajuda à mãe. Mais que depressa, a mãe de Marina vê ali uma oportunidade de massacrar o genro, que tanto explora sua filha. Ela inventa que chegou na cidade uma famosa monja tibetana que promete uma terapia de casal alternativa. Ninguém mais que ela mesma, muito bem disfarçada. Nessa terapia quem fala, obviamente, é sempre Marina. Tem até chazinho da verdade, que induz Otávio a se complicar em um interrogatório nada convencional. Se a terapia vai dar certo ou não, só vendo. Principalmente se ele descobrir que a monja é a própria sogra.

Ligação Irregular elevou conta de água no Estádio Nacional

O chefe da Casa Civil, Sérgio Sampaio, em entrevista coletiva no Palácio do Buriti, disse que o grupo de trabalho criado para investigar a milionária conta de água do Estádio Nacional Mané Garrincha concluiu que uma ligação indevida, ainda na época da construção da arena, resultou no consumo excessivo no mês de junho. O chefe da Casa Civil deu as informações ao lado do presidente da Caesb, Maurício Luduvice, do presidente da Terracap, Júlio César de Azevedo e do presidente da Novacap Júlio Menegotto.

O secretário Sérgio disse que determinou a abertura de uma sindicância para apurar de quem foi a responsabilidade pelo aumento da conta de água e esgoto do Estádio Nacional chegar a R$ 2,2 milhões em junho, valor 67 vezes superior à média dos meses de março, abril e maio de 2017: R$ 37 mil. A investigação será conduzida pela Controladoria-Geral do DF. “É um episódio grave e lamentável, sobretudo neste momento de escassez hídrica na nossa cidade. Não descartamos nenhuma hipótese e vamos apurar com todo rigor”, declarou Sampaio.

Acredita-se que, na fase de edificação do estádio, os responsáveis pela obra ficaram receosos de que as chuvas não fossem suficientes para encher os quatro reservatórios de água bruta, uma vez que cada um deles tem capacidade para armazenar 350 mil litros, destinados à irrigação do gramado e ao combate a incêndios. Por isso uma ligação e um registro não previstos na planta hidráulica do estádio foram instalados excepcionalmente para fazer o bombeamento do reservatório de água potável para os quatro de água bruta. A adaptação deveria ter sido removida logo após o enchimento dos quatro tanques, o que não ocorreu.

A comissão criada pelo governo de Brasília para apurar a conta milionária, concluiu que em fevereiro deste ano, o registro foi aberto por alguém indevidamente, o que levou ao transporte de água potável para os quatro reservatórios superiores não tratados, situados no segundo andar do Mané Garrincha. Os equipamentos transbordaram, e a água passou a escorrer por três meses pela rede pluvial.

Como nem toda água perdida recebeu tratamento da Caesb, a empresa retirou a taxa de esgoto, o que fez a conta a ser paga pela Terracap — administradora do estádio — cair pela metade: R$ 1,15 milhão. Fizeram parte da comissão: técnicos da Companhia de Saneamento Ambiental do DF, da Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal e da Companhia Urbanizadora da Nova Capital.

Escolha de Diretor do Detran e Polícia Civil será por Lista Tríplice

Foi publicada na edição desta quarta-feira, do Diário Oficial do Distrito Federal, Emenda à Lei Orgânica que tira do governo de Brasília a exclusividade da escolha dos diretores da Polícia Civil e do Departamento de Trânsito do DF. De acordo com a nova norma, os servidores dos dois órgãos escolherão candidatos que irão compor lista.

No caso da Policia Civil, participam do processo de escolha delegados e agentes. No Detran, a lista será indicada por servidores efetivos (concursados) do órgão. O governador escolherá os diretores com base na indicação de cada órgão. A medida vale a partir deste 26 de julho.

O GDF informou, por meio de nota, que "recorrerá à Justiça questionando a legalidade da emenda à Lei Orgânica do Distrito Federal aprovada pela Câmara Legislativa do DF por se tratar de matéria de iniciativa exclusiva do poder executivo".

A emenda à lei orgânica é uma antiga reivindicação das entidades que representam os servidores, que reclamam de “escolhas políticas” na indicação dos dirigentes. A emenda foi aprovada pela Câmara Legislativa do DF em junho passado e promulgada pela mesa diretora da Casa nesta segunda-feira, dia 24 de julho.

O diretor do Sindicato dos Policiais Civis, Rodrigo Franco, disse que a mudança vai tornar mais democrática a escolha e fomenta o debate de ideias em torno da gestão do órgão.

 
RocketTheme Joomla Templates