Quais as complicações da cirurgia de catarata?

Confira, a seguir, a entrevista com Virgílio Centurion sobre os riscos e as complicações da cirurgia de catarata:

 

01) Quais são as complicações pós-operatórias mais comuns decorrentes da cirurgia de catarata?

Dr. Virgílio Centurion - Uma das complicações da cirurgia de catarata mais comuns é uma opacificação da cápsula posterior também chamada de OCP. Embora algumas pessoas denominem a OCP de "catarata secundária", ela realmente não é uma catarata. Uma vez que uma catarata é removida, ela não volta. Durante a cirurgia de catarata, o cirurgião irá remover a lente natural turva do olho (a catarata) e substituí-la por uma lente intraocular (LIO). Grande parte da membrana transparente fina que circunda a lente natural (chamada de cápsula da lente) é deixada intacta durante a cirurgia e a LIO é implantada dentro dela. Quando a catarata é removida, o cirurgião faz todos os esforços para manter a integridade da cápsula do cristalino, e, normalmente, a visão do paciente, após a cirurgia de catarata, é muito clara. No entanto, em cerca de 20% dos pacientes, a parte posterior da cápsula torna-se turva algum tempo após a recuperação da cirurgia de catarata ou mesmo meses mais tarde, causando OCP. A opacificação da cápsula posterior da lente ocorre porque as células epiteliais remanescentes, após a cirurgia de catarata, cresceram na cápsula. Em alguns casos, se progride de forma significativa, a visão pode ser pior do que era antes da cirurgia de catarata.

 

02) E como é tratada a opacificação da cápsula posterior?

Dr. Virgílio Centurion – O laser YAG pode tratar a opacidade da cápsula posterior de maneira segura, eficaz e indolor. O procedimento leva apenas alguns minutos e é totalmente indolor; nem desconforto ocorre no pós-operatório. Na sequência de uma capsulotomia YAG, o paciente pode retomar suas atividades normais imediatamente. Ele pode relatar moscas volantes depois do procedimento, mas elas provavelmente vão desaparecer dentro de algumas semanas. Uma vez que o laser YAG remove a zona central da cápsula posterior turva, por trás da lente intraocular, a condição não pode voltar. Assim, o tratamento a laser é necessário para eliminar definitivamente a perda de visão causada pela opacificação da cápsula posterior, após a cirurgia de catarata.

 

03) Outro exemplo de complicação da cirurgia de catarata são as lentes intraoculares mal posicionadas ou deslocadas. Por que isso ocorre?

Dr. Virgílio Centurion – Se a lente intraocular se deslocar, a acuidade visual do paciente pode diminuir substancialmente. Mas como uma lente intraocular pode se deslocar ou ficar mal posicionada? Na maioria das cirurgias de catarata, a lente intraocular é colocada no interior do "saco capsular", que contém a lente natural turva ou a catarata do olho. Os oftalmologistas fazem todas as tentativas para manter a integridade do saco capsular de modo que a lente intraocular possa ser posicionada corretamente no seu interior. Mas o saco capsular é extremamente fino - aproximadamente a espessura de uma única célula vermelha do sangue - e, por vezes, pode romper-se ou quebrar-se. Além disso, o próprio saco capsular pode se deslocar devido à fraqueza ou quebra das fibras que o seguram no lugar, resultando em uma condição conhecida como diálise zonular. Esta condição coloca o implante ocular em risco de mau posicionamento ou de luxação do implante. Mesmo sem complicações subjacentes, as lentes intraoculares ainda podem se deslocar, especialmente se um dos "braços" elásticos que prendem a lente no lugar está posicionado incorretamente dentro do saco capsular ou se torna mal posicionado mais tarde. Quando um implante de lente intraocular é mal posicionado ou deslocado, o cirurgião de catarata pode reposicioná-lo num segundo procedimento. Em alguns casos, o implante deve ser costurado no lugar ou outro tipo de lente deve ser implantada. Se o deslocamento da lente intraocular ocorre após uma cirurgia de catarata recente, o reposicionamento da lente deve ser feito em breve. Isto porque os implantes começam a "cicatriz", no lugar, cerca de três meses depois da implantação original e pode tornar-se muito mais difíceis removê-los, se decorrido muito tempo. Se o paciente teve um implante intraocular mal posicionado ou deslocado, suas chances de um bom resultado na sequência de um segundo procedimento são boas, se o cirurgião agir prontamente. Um estudo recente da Clínica Mayo com dados de mais de 14.000 cirurgias de catarata, realizadas entre janeiro de 1980 e maio de 2009, revelou que o risco de deslocamento de uma IOL, após uma cirurgia de catarata é muito baixo: após 10 anos da cirurgia, o risco cumulativo foi de 0,1%; aos 20 anos, foi de 0,7%; e aos 25 anos, foi de 1,7%.

 

04) Outras potenciais complicações da cirurgia de catarata variam de inflamação ocular à perda da visão. O risco de perda de visão grave é muito raro e pode ocorrer como resultado de uma infecção ou hemorragia no interior do olho. Há como prevenir esses problemas?

Dr. Virgílio Centurion – Sim. Para prevenir qualquer processo infeccioso em uma cirurgia de catarata algumas medidas devem ser levadas em conta antes da cirurgia, durante e depois da mesma. Como primeira medida o centro cirúrgico deve estar em perfeitas condições de higiene. Se for um centro cirúrgico geral que foi previamente usado, é importante arrumar e limpar antes de entrar. Antes de começar a cirurgia é muito importante fazer uma avaliação cuidadosa do olho, principalmente da conjuntiva e as pálpebras. É muito importante o afastamento dos cílios e as pálpebras do campo cirúrgico por meio de fita adesiva. Os microorganismos responsáveis de endoftalmite (infecção intraocular) geralmente colonizam os cílios e as pálpebras. Durante a cirurgia há vários fatores que predispõem. O tempo cirúrgico deverá ser o menor possível sem sacrificar a segurança. O desenho da incisão é o outro fator. Deverá ser feita de tal forma que não apresente filtrações posteriores. A orientação do paciente em relação à higiene pessoal, como utilizar colírios, não se expor a situações de risco são fundamentais. A utilização de antibióticos de última geração antes, durante e depois da cirurgia por pelo menos duas semanas fazem parte do protocolo básico utilizado globalmente; assim como a utilização de material descartável (uso único) para cada cirurgia. Algumas complicações da cirurgia de catarata ocorrem algum tempo depois. Por exemplo, um descolamento da retina pode ocorrer meses ou anos após um procedimento de catarata perfeitamente bem-sucedido e na imensa maioria dos casos não tem relação com a cirurgia da catarata. A maioria dos pacientes com descolamento de retina tem um bom resultado se recebem tratamento oftalmológico quando os primeiros sintomas começam e o tratamento é feito imediatamente. No entanto, uma pequena percentagem terá a visão substancialmente e permanentemente reduzida. O paciente precisa informar ao cirurgião sobre moscas volantes, flashes de luz e perda de visão súbita, pois estes sintomas podem indicar um descolamento de retina.

 

05) Há ainda outras potenciais complicações da cirurgia de catarata?

Dr. Virgílio Centurion – Podemos mencionar inchaço da córnea ou da retina, aumento da pressão no olho (hipertensão ocular), pálpebra caída (ptose). Essas complicações normalmente podem ser tratadas com medicamentos, acompanhamento oftalmológico.

 

O Dr. Virgilio Centurion é médico oftalmologista e Diretor do IMO (Instituto de Moléstias Oculares). Para mais informações, acesse: www.imo.com.br 

 

 
RocketTheme Joomla Templates